Já passa de 200 o número de praias atingidas pela mancha de óleo no litoral nordestino

Já passa de 200 o número de praias atingidas pela mancha de óleo no litoral nordestino

*Atualizado em 23/10/19

O final de semana foi de mobilização. Voluntários, moradores e pescadores decidiram agir para tentar reduzir o impacto da ‘misteriosa’ mancha de óleo que, desde o início de setembro, polui o litoral do Nordeste. Centenas de pessoas passaram o sábado e o domingo limpando e o recolhendo o petróleo cru nas praias.

Segundo o último levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), em 22/10, já são 233 localidades afetadas pela substância, em 88 municípios. Ainda de acordo com o órgão, 18 tartarugas marinhas foram encontradas mortas e 2.190 filhotes foram capturados preventivamente na Bahia e outros 624 em Sergipe.

Já chega a 200 número de praias atingidas pela mancha de óleo no litoral nordestino

Manchas de óleo na Praia do Forte, na Bahia

Na imagem abaixo, está uma tartaruga, suja com óleo, resgatada pela equipe do Instituto Biota de Conservação, em Maragogi, e encaminhada para um centro de ‘despetrolização’, em Aracaju, Sergipe.

Já chega a 200 número de praias atingidas pela mancha de óleo no litoral nordestino

Justiça quer mais ação

No domingo, 20/10, em coletiva para a imprensa, representantes da Marinha, Ibama e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) afirmaram que, até o momento, mais de 900 toneladas de óleo foram coletadas, ao longo dos 2.250 quilômetros da costa, impactados pelo crime ambiental.

Apenas ontem, cerca de 10 toneladas de petróleo foram retiradas da Praia de Suape, no Cabo de Santo Agostinho, em Pernambuco.

A Justiça Federal do Estado determinou que a União e o Ibama implementem uma série de medidas para conter o avanço das manchas do óleo no litoral pernambucano em 24 horas. A liminar foi concedida pelo juiz substituto Augusto Cesar de Carvalho Leal em resposta a pedido do Ministério Público Federal (MPF).

Além da instalação de barreiras de contenção, em ambientes mais sensíveis da costa, como manguezais, áreas de estuários e recifes de corais, o texto recomenda que sejam fornecidos equipamentos de proteção individual (EPIs) – máscaras, luvas e botas -, inclusive para voluntários, e recipientes adequados para armazenamento do óleo recolhido.

Caso as medidas não sejam acatadas, a multa imposta será de R$ 50 mil por dia.

Mutirão de limpeza realizado em Cabo de Santo Agostinho

O óleo é pegajoso e pode fazer mal à saúde, por isso a recomendação é que as pessoas não entrem em contato com ele, sem usar equipamentos de proteção

*Texto alterado para atualizar o número de localidades atingidas pela mancha de óleo

Leia também:
Mancha de óleo chega a região de corais e algumas das praias mais famosas dos litorais da Bahia e de Alagoas
Dezenas de tartarugas e filhotes aparecem mortos, sujos com óleo, nos litorais do Ceará e da Bahia
Golfinho é encontrado morto com manchas de óleo em praia de Alagoas

Fotos: Instituto Bioma e Léo Domingos/Fotos Públicas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta