IUCN busca profissionais para trabalho independente na bacia do Rio Doce

IUCN busca profissionais para trabalho no Rio Doce

A União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), instituição global da área de ciência da conservação, está com edital aberto para seleção de profissionais independentes com experiência em diversas áreas para compor o Painel Independente de Assessoramento Científico e Técnico (ISTAP, na sigla em inglês), que atuará na bacia do Rio Doce.

A instalação do Painel do Rio Doce, como é chamado no Brasil, tem como objetivo recomendar, com base em avaliações científicas e independentes, as melhores estratégias para recuperação e conservação da bacia do Rio Doce.

A região foi devastada pelo rompimento da barragem de Fundão, propriedade da mineradora Samarco, próximo à Mariana, em Minas Gerais, em novembro de 2015. Considerado a maior tragédia ambiental da história do país, o acidente fez com que um mar de lama com rejeitos de metais pesados e elementos químicos destruísse o vilarejo de Bento Rodrigues (matando 19 pessoas) e contaminasse todo o leito do rio, tirando a vida de centenas de animais.

imagem do mar de lama destruiu Bento Rodrigues, em MG

Quem ficará como principal responsável pela chefia e supervisão do trabalho de análise a ser feito pela IUCN será a renomada ambientalista Yolanda Kakabadse. A colombiana, já foi presidente da entidade e também presidente mundial do World Wide Fund for Nature (WWF).

O trabalho do painel será dividido em seis eixos temáticos, considerando os aspectos da vida terrestre, marinha e ribeirinha: estratégia, toxicologia, impactos sobre os ecossistemas, remediação dos ecossistemas, gestão de água, resíduos e rejeitos, e práticas econômicas sustentáveis. O painel tem forte caráter técnico, independente e multidisciplinar.

Os interessados em participar do Painel do Rio Doce devem ter uma base científica sólida e conhecimento da região. O painel terá vigência de cinco anos e as inscrições devem ser submetidas até o dia 6 de agosto. Todas as informações se encontram neste site.

A instalação do painel é uma iniciativa da Fundação Renova, uma instituição autônoma, independente e sem fins lucrativos, criada para reparar os danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão. Já a IUCN é uma organização com larga experiência, reconhecida pela comunidade científica na gestão de painéis instalados em regiões atingidas por impactos ambientais.

Leia também:
A tragédia humana de Bento Rodrigues
Lágrimas do Rio Doce: maior tragédia ambiental do Brasil ganha exposição na Itália
Desastre de Mariana pode ter afetado animais marinhos raros

Rio de Lama: documentário em realidade virtual retrata Mariana e seus sobreviventes

Fotos: arquivo Conexão Planeta (Fred Loureiro/Secom/Fotos Públicas no abre) e Corpo de Bombeiros (MG)/Fotos Públicas

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta