Índia anuncia proibição a plásticos descartáveis a partir de 2022

Índia anuncia proibição a plásticos descartáveis a partir de 2022

“A Índia colocorá fim ao plástico descartável nos próximos anos. Acredito que chegou a hora de o mundo se despedir dos descartáveis “, afirmou Narendra Modi, primeiro-ministro indiano, durante a Convenção das Nações Unidas para Combater a Desertificação, evento realizado esta semana, em Nova Delhi.

A data escolhida para dar um fim, na Índia, ao plástico de uso único (aquele que é usado por poucos minutos e depois jogado no lixo) é daqui a três anos, em 2022, e não poderia ser em um dia mais especial: 2 de outubro, aniversário do líder Mahatma Gandhi.

Serão banidos seis tipos de descartáveis feitos com plástico: copos, pratos, garrafas pequenas, canudos, sacolas e alguns tipos de sachês. A proibição valerá para fabricação, uso e importação.

Atualmente os indianos consomem cerca de 14 milhões de toneladas de plástico por ano.

Com a proibição aos descartáveis, a Índia se une a uma série de outros governos que deram um basta a este material e seu impacto no meio ambiente, entre eles, Canadá, Costa Rica e a Comunidade Europeia. No Brasil, a ilha de Fernando de Noronha também proibiu o uso e a venda de plásticos descartáveis.

Metas para combater as mudanças climáticas

O governo da Índia parece estar realmente comprometido com as questões ambientais. Em 2015, anunciou a meta de reduzir em 35% suas emissões de dióxido de carbono (CO2, gás apontado como sendo um dos principais responsáveis pelo aquecimento global), e ter 40% de sua matriz elétrica proveniente de fontes renováveis até 2030.

Em 2018, a Índia estava na segunda posição do ranking dos países que mais investiram em energia solar no mundo, ao ter acrescentado 10,8 GW à sua capacidade de geração fotovoltaica (em 1o lugar na lista está a China).

Em dezembro do ano passado, o ministro do Meio Ambiente, Harsh Vardhan, em entrevista ao The Economist Times, garantiu que as metas seriam atingidas antes do tempo.

“Acreditamos que todos no mundo precisam fazer muito mais do que já fazem no momento, porque isso não é o suficiente. Esperamos que os países em desenvolvimento também cumpram suas metas. Isso inclui oferecer dinheiro e tecnologia para as nações em desenvolvimento, para que países como o nosso, possam ir além do prometido”, disse Vardhan.

Em agosto, em um gigantesco mutirão, um milhão de indianos plantaram 220 milhões de árvores em um dia. Estudantes, autoridades, legisladores e cidadãos comuns se uniram para plantar dezenas de espécies de mudas – sendo 16, de frutas – ao longo de estradas, trilhas e florestas no norte do estado de Uttar Pradesh, o mais mais populoso do país.

*Com informações da agência de notícias Reuters

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta