Incêndios florestais na Califórnia causam a morte de 31 pessoas e mais de 200 estão desaparecidas. E ainda há focos ativos

Até agora, os incêndios florestais que atingem a Califórnia, nos Estados Unidos, desde a semana passada, causaram a morte de 31 pessoas e 220 ainda estão desaparecidas. Cerca de 250 mil pessoas tiveram que deixar suas casas no norte, noroeste e ao sul do estado, entre elas a cantora Lady Gaga, a cantora e atriz Cher e o cineasta Guillermo Del Toro e o ator Gerard Butler. Este relatou a destruição de sua casa em Malibu em foto e vídeo em seu perfil no Twitter:

“Retornei para minha casa em Malibu após a evacuação. Momento doloroso em toda a Califórnia. Inspirado como sempre pela coragem, espírito e sacrifício dos bombeiros”, escreveu o ator, que ainda fez apelo aos bombeiros que atuam na região: “Se você puder, apoie esses homens e mulheres corajosos”, e compartilhou uma página para doações.

São mais de 8 mil bombeiros federais, estaduais e locais, em ação 24 horas por dia, para tentar salvar a California de uma tragédia ainda maior.

As alterações do clima cada vez mais evidentes

O clima cada vez mais quente na região tem tornado mais frequentes esses incêndios. O último aconteceu em agosto deste ano. E, agora, os ventos secos ajudam a espalhar ainda mais o fogo que começou no nordeste de Sacramento, capital do estado, e avança cerca de 40km por dia.

Depois de Sacramento, o fogo seguiu para a cidade montanhosa de Paradise, um município de 26 mil habitantes a pouco mais de 150 quilômetros de lá e a 289 quilômetros de São Francisco.

Por tudo isso, Camp Fire, como está sendo chamado o incêndio no norte do estado, já está sendo considerado não só o mais devastador dos três focos ativos – os demais ficam ao sul (onde está Malibu) e estão sendo chamados de Woolsey Fire, como também o mais destrutivo e um dos mais mortíferos da história da Califórnia. Até agora, o incêndio com o maior número de mortos (29) era o do Griffith Park, em Los Angeles, que aconteceu em 1933.

Os incêndios de agora, já destruiram cerca de 67 mil imóveis, incluindo um hospital em Paradise, e devastaram cerca de 45 mil hectares. Os bombeiros acreditam que, até agora, conseguiram conter apenas 25% do incêndio e calculam que serão necessárias mais três semanas para controla-lo completamente.

A causa ainda não é conhecida, mas, de acordo o jornal Sacramento Bee, autoridades do setor elétrico local, comunicaram que houve um corte de energia próximo do local de onde surgiram as primeiras chamas. Seja como for, é evidente que as mudanças do clima, com o aquecimento global, têm parte nesta tragédia. Não dá mais pra negar. Não se trata mais de um fenômeno que trará consequências em 2030, 2050, para os quais muitos países empurram a redução ideal de emissões de gases de efeito estufa. Já está acontecendo, em vários pontos do planeta, por meio de incêndios devastadores como estes, tempestades, furacões, tsunamis…

Em seu perfil no Facebook, o especialista em clima, Delcio Rodrigues, publicou uma foto incrível feita por pelo agente imobiliário californiano Grant Denham (@grantdenham) e divulgada em seu Twitter, que foi muito usada pela polícia, na mesma rede social (abaixo), para convencer as pessoas a deixar suas casas e evacuarem a região de Malibu.

“O incrível é que o Grant Denham já teve que sair correndo de casa por três vezes neste ano: agora de Malibu, por conta do incêndio florestal, antes de Belair (outro incêndio florestal) e antes ainda de Santa Mônica (deslizamento de encosta). A mudança do clima resolveu persegui-lo e à sua família!”, escreveu Delcio. 

Trump sendo Trump

O governador da Califórnia, Jerry Brown, decretou estado de emergência e pediu a ajuda de outros estados para combater os incêndios. Do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não recebeu nenhum apoio, apenas críticas acusando sua má gestão florestal pela tragédia e a ameaça de cortar verbas.

Em seu Twitter, escreveu no sábado, sem o menor pudor: “Não há motivos para estes incêndios grandes e mortais na Califórnia, exceto que a gestão florestal é muito ruim”. E completou“Bilhões de dólares são dados a cada ano, com tantas vidas perdidas, tudo por causa da má administração das florestas. Consertem agora ou não acontecerão mais pagamentos do Fed”.

Fotos: Fotos Públicas (destaque), Nasa e USDA Forest Service

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta