Impacto do homem atinge praticamente todos os oceanos do planeta


Impacto do homem atinge praticamente todos os oceanos do planeta

O ser humano sempre teve uma relação especial com os oceanos: medo, respeito, adoração. Mas todos estes sentimentos não foram suficientes para que as águas do planeta fossem protegidas e ficassem intactas à sua existência na Terra.

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Queensland, na Austrália, em parceria, com a Wildlife Conservation Society, revelou que todos os oceanos do planeta sofrem os impactos da ação humana. Apenas 13,2% deles, algo em torno de 55 milhões de km2, ainda estão intocados, considerados “sistemas marinhos selvagens”, situados, sobretudo, em regiões distantes do Pacífico e no Ártico, mas também em pequenas áreas próximas à Nova Zelândia, Chile e Austrália.

Em artigo publicado na revista Current Biology, os cientistas afirmam que pouquíssimo da vida selvagem marinha ainda se encontra nas costas e somente 4,9% dela está situada em reservas de conservação.

“Estamos chocados em descobrir o quão pouco da vida marinha pristina ainda resta”, disse Kendall Jones, principal autor do estudo, em entrevista ao jornal The Guardian. “O oceano é imenso, cobre 70% de nosso planeta, mas conseguimos impactar de maneira significativa quase todo este vasto ecossistema”.

Entre as principais ameaças à biodiversidade dos oceanos estão as grandes frotas pesqueiras e a consequente sobrepesca, o transporte naval e a poluição, aliados às mudanças climáticas.

Os pesquisadores explicam que nesses últimos refúgios marinhos, longe do impacto humano, há uma diversidade genética mais alta, características funcionais únicas, espécies endêmicas e maior conexão evolutiva e ecológica, com maior possibilidade de resistir ao aquecimento global.

“Na terra, o rápido declínio da vida selvagem provocou pedidos imediatos para a sua proteção. Em contraste, pouco se sabe sobre a extensão e conservação da fauna marinha.

Leia também:
Ator Victor Fasano aparece nu e afogado em foto-protesto contra lixo nos oceanos
Sacola plástica é encontrada no abismo mais profundo dos oceanos
Ingestão de plástico está intoxicando as maiores criaturas dos oceanos
Oceanos mais quentes estão provocando somente nascimento de tartarugas fêmeas 

Foto: Milos Prelevic on Unsplash

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Um comentário em “Impacto do homem atinge praticamente todos os oceanos do planeta

  • 3 de agosto de 2018 em 1:17 PM
    Permalink

    Sem TODOS os terráqueos empenhados, impossível salvar a Terra. A meia dúzia de humanos evoluídos, bem intencionados, engajados com unhas e dentes na mega tarefa da criação de uma nova Terra, são os deuses apocalípticos de um novo Fiat Lux, que doam tempo, razão e sentimento auscultando o coração do planeta que morre, assassinado pelo próprios filhos; que quase não respira porque roubamos dele o oxigênio imprescindível e não se nutre com o alimento saudável indispensável que substituímos pelo veneno dos agrotóxicos e pelo mercúrio da garimpagem ávida na busca de tesouros, como se a riqueza verdadeira não fosse o céu azul e a floresta verde, onde animais gostam de viver e aves apreciam cantar para os que têm olhos de ver e ouvidos de ouvir que este ouro não tem preço.

    Resposta

Deixe uma resposta