Imagens vencedoras do Environmental Photographer of the Year 2019 revelam impacto assustador da crise climática

Imagens vencedoras do Environmental Photographer of the Year 2019 revelam impacto assustador da crise climática

As fotografias escolhidas este ano pelo CIWEM Environmental Photographer of the Year mostram a realidade cruel de como as pessoas e a vida selvagem estão lutando contra os impactos da crise climática no mundo todo.

Anualmente a organização britânica Chartered Institution of Water and Environmental Management (CIWEM) promove esse concurso internacional. O objetivo é inspirar sociedadese governos a pensar de maneira diferente sobre os problemas ambientais da atualidade, como as alterações no clima, desenvolvimento sustentável, biodiversidade e direitos humanos.

“A mudança climática é o maior desafio do nosso tempo e agora é a hora de agir. Precisamos ver ações de todos os setores da sociedade”, diz Terry Fuller, CEO da CIWEM.

Nesta edição, o 1º lugar ficou com a imagem abaixo, de Shanth Kumar, que flagrou as enchentes nas ruas de Mumbai, na Índia. Um pescador tenta resistir à força da água, antes de ser tragado por ela. As temperaturas naquele país têm atingido recordes ano a ano, causando o aumento do nível do mar e o fortalecimento de tempestades.

Imagens vencedoras do Environmental Photographer of the Year 2019 revelam impacto assustador da crise climática

“Acredito que mudança é um fenômeno constante. Hoje, ela está se manifestando na forma da crise climática. Como fotojornalista, vejo tudo se desenrolar diante dos meus olhos. Vi secas, chuvas excessivas, verões ficando mais quentes e invernos mais frios. Acredito que essa mudança não é boa e precisamos agir agora, caso contrário, afetará as gerações vindouras”, alerta Kumar.

Já a foto que abre este post foi a vencedora na categoria Água, Igualdade e Sustentabilidade. O flagrante de Frederick Dharshie Wissah, chamado de “Escassez de Água”, mostra um menino bebendo água suja devido à falta dela na área, o que ocorreu devido ao desmatamento. “A escassez de água limpa aumenta muito o risco de doenças diarréicas, como cólera, febre tifóide, disenteria e outras doenças tropicais transmitidas pela água”, lamenta o fotógrafo.

Confira a seguir os ganhadores das demais categorias:

MUDANÇAS NO AMBIENTE
“Tuvalu sendo inundada pelas marés”, por Sean Gallagher

Imagens vencedoras do Environmental Photographer of the Year 2019 revelam impacto assustador da crise climática

Árvores estão caídas na praia, enquanto as ondas da lagoa Funafuti, em Tuvalu, no Pacífico Sul, circulam ao redor delas. A erosão da terra sempre foi um problema para o país, mas os problemas se intensificaram à medida que o nível do mar aumenta e está prestes a submergir as pequenas ilhas do arquipélago, que ficará completamente debaixo d’água.

CIDADES SUSTENTÁVEIS
“Ano Novo Poluído”, por Eliud Gil Samaniego

Imagens vencedoras do Environmental Photographer of the Year 2019 revelam impacto assustador da crise climática

Em 1o de janeiro de 2018, Mexicali (ao norte do México) era uma das cidades mais contaminadas do mundo por causa da fumaça dos fogos de artifício, mudança climática, localização geográfica, indústria e carros.

AÇÃO CLIMÁTICA E ENERGIA
“Restos da Floresta”, por J Henry Fair

Imagens vencedoras do Environmental Photographer of the Year 2019 revelam impacto assustador da crise climática

A Floresta de Hambach, na Alemanha, tinha quase 12 mil anos quando foi comprada por uma empresa de energia para exploração de carvão. Então do tamanho de Manhattan, hoje apenas resta 10% dela.

JOVEM FOTÓGRAFO AMBIENTALISTA DO ANO
“Medidas desesperadas”, por Neville Ngomane

O chifre do rinoceronte é retirado na tentativa de protegê-lo de caçadores. Com o atual nível alarmante de caça, especialistas recomendam que os rinocerontes sejam ‘descornados’ a cada 12 a 24 meses para deter efetivamente os caçadores.

Leia também:
#EverydayClimateChange: as mudanças provocadas pela crise climática através das lentes de fotógrafos dos cinco continentes
O impacto das mudanças climáticas em imagens
Humanidade destruiu 2,5 bilhões da história da evolução de centenas de espécies de mamíferos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta