Identificada nova espécie de tartaruga gigante em Galápagos

tartaruga gigante de Galápagos

Esta semana foi de comemoração para os biólogos que fazem pesquisas em Galápagos, arquipélago com treze ilhas, que fica na costa do Equador, um dos mais intocados habitats de vida selvagem do planeta, referência de estudo para muitos pesquisadores e local que teve extrema importância para a elaboração da Teoria da Evolução, do naturalista inglês Charles Darwin.

Os pesquisadores anunciaram que descobriram uma nova espécie de tartaruga gigante na Ilha de Santa Cruz. Até então, só havia sido identificada uma única espécie. Chelonoidis donfaustoi foi o nome científico dado à nova tartaruga, uma homenagem a Fausto Llerena, que durante quase 30 anos cuidou de “George Solitário”, outra tartaruga – símbolo de Galápagos – que viveu mais de 100 anos e morreu em 2012.

Até então, acreditava-se que a população destes animais, habitantes da Ilha de Santa Cruz, pertencia toda à mesma espécie. Estudos genéticos, feitos por equipes locais e internacionais, liderados pela pesquisadora da universidade americana de Yale, Gisella Caccone, comprovaram, entretanto, que elas são diferentes.

As Chelonoidis donfaustoi vivem no lado oriental da ilha, em uma área conhecida como Cerro Fatal.  De acordo com o cientista equatoriano, Washington Tapia, a nova espécie conta somente com algumas centenas de indivíduos. Eles se diferenciam dos demais pelos traços genéticos e também pelo formato do casco. Foram necessários treze anos de pesquisa para chegar a atual conclusão.

“As investigações em torno da nova espécie continuarão para que possamos determinar dados exatos de sua distribuição, zonas de reprodução e ameaças potenciais”, afirmou Alejandra Ordóñez, diretora do Parque Nacional Galápagos. “Como esta é uma nova espécie, se faz necessário ampliar os estudos para estabelecer qual é o real número populacional e quais medidas de manejo garantirão sua conservação”.

Para os cientistas, a homenagem a “Don Fausto”, como Llerena ficou conhecido, é mais do que justa. De 1971 até o ano passado, ele dedicou sua vida à preservação e reprodução das tartarugas gigantes de Galápagos. Tanto é, que o Parque Nacional Galápagos, na Ilha de Santa Cruz, do qual Llerena foi diretor durante muitos anos, leva seu nome.

Com a descoberta da nova tartaruga, foram catalogadas 15 espécies do animal gigante no arquipélago. Todavia, quatro delas já estão extintas. Estima-se que cerca de 250 mil tartarugas já habitaram Galápagos. Atualmente este número é de somente 20 mil indivíduos.

Foto: Washigton Tapia/Parque Nacional Galápagos

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta