Hora de sujar as mãos … ou não!

pá enterrada na terra do jardim

São muitas as pessoas que sonham em ter um jardim com muitas ervas e verduras, flores e frutos. Mas na hora de se arriscar no mundo prático, ele pode parecer mais poeirento, pedregoso do que o imaginado. Em minhas práticas didáticas, encontro sempre aquelas crianças que amam se sujar, fazer bolinho de lama, pegar em minhocas, comer pedaços de folhinhas do jardim, sinalizar o lugar onde teremos que esperar a vida brotar.

Outras, entretanto, se preocupam demasiado com a sujeira da roupa, o encardido das unhas e o pânico de ver um bichinho. Os adultos não se diferem muito dos pequenos quando chega o momento de abrir sacos de terra, pegar vasos, colocar pedras e deitar camadas de terra e adubo para semear ou transplantar.

Para quem for mexer pela primeira vez na horta ou quintal e não quiser usar luvas ou achá-las desnecessárias, mas quiser prevenir o encardido dos dedos mais tarde, recomendo o uso de um creme espesso, à base de vaselina para selar os poros. Desta maneira, ficará mais fácil na hora de lavar a mão depois, com sabão e  escovinha de unhas. A melhor dica é: aquilo que não sai com água, sai com óleo. Sim, porque o óleo emulsiona e dilui as gorduras do solo.

Outra recomendação é forrar as mãos nas partes mais usadas com algumas camadas de esparadrapo, do tipo bem fininho e poroso, que parece praticamente uma folha de papel. Ele vai previnir a formação de bolhas e calos. Tenha em mente  também que, alguns cuidados com os movimentos do corpo, podem prevenir dores nas costas.

Procure usar as ferramentas adequadas. Por exemplo, se for afofar solo com uma enxada, saiba que existem diferentes tamanhos e formatos. As pequenas são para solos já descompactados. Enxadas podem ter a haste curta para usar em vasos e canteiros elevados, ou podem ter hastes longas para usar em leiras (sulcos feitos na terra onde se lançam sementes) na altura do chão.

Existem ainda as grandes, com cabos grossos, para abrir novas leiras e cavar sulcos profundos. Quando estiver usando a enxada, procure sempre fazer movimentos curtos e repetitivos, distribuindo o peso e a força do seu movimento em um tripé entre seus pés e a ferramenta. Mantenha sua coluna ereta, flexionando seus joelhos e quadris.

Uma só ferramenta não servirá para tudo. O ideal é sempre ter em mãos barbante, tesoura de poda, pá de jardineiro, escarificador (para afofar e retirar talos e fibras do solo), uma haste (para fazer furos ou tutorar plantas). Estas são algumas das ferramentas básicas. Existe uma pouco conhecida que serve para extrair raízes profundas das gramíneas, como por exemplo, as tiriricas e outras plantas de crescimento desordenado. Trata-se de uma haste bifurcada com uma manopla de madeira. Ao afundá-la ao lado da planta que se quer remover, ela corta a raiz que está mais profunda, facilitando assim o controle por mais tempo.

hora-sujar-maos-ou-nao-2-800

Acima, o escarificador, usado para afofar e retirar talos e fibras do solo

Se você mora num apartamento, não precisa de tantas ferramentas. Uma boa pá, tesoura de poda e o escarificador já estão de bom tamanho. E para quem não se importa em afundar as mãos na terra, vá em frente. Essa é uma das melhores terapias que existe. Experimente!

Leia também:
Nas férias, (m)olhe para mim
Sol e água na medida certa
Cada planta com seu torrão
Terra de muitos tons

Fotos: domínio público/pixabay

 

Geógrafa, paisagista, educadora ambiental e ilustradora científica. Começou a carreira em São Paulo como consultora paisagística. Durante 10 anos viveu no exterior (Austrália, Israel e USA) e neste último país, firmou suas habilidades para trabalhar com crianças. Atualmente dá aulas de horticultura para alunos do Ensino Fundamental, em Brasília. Também desenvolve projetos junto à Cia da Horta para centros de ensino, clubes e empresas.

Liliana Allodi

Geógrafa, paisagista, educadora ambiental e ilustradora científica. Começou a carreira em São Paulo como consultora paisagística. Durante 10 anos viveu no exterior (Austrália, Israel e USA) e neste último país, firmou suas habilidades para trabalhar com crianças. Atualmente dá aulas de horticultura para alunos do Ensino Fundamental, em Brasília. Também desenvolve projetos junto à Cia da Horta para centros de ensino, clubes e empresas.

5 comentários em “Hora de sujar as mãos … ou não!

Deixe uma resposta