Holandeses dão as mãos em apoio aos gays

Holandeses dão aos mãos em apoio aos gays

Um dos povos mais liberais e abertos da Europa, os holandeses saíram às ruas ontem (05/04) de mãos dadas em sinal de apoio a um casal de homossexuais que foi agredido na cidade de Arnhem. A Holanda foi o primeiro país do mundo a legalizar, em 2001, o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo.

Os homens na Holanda passaram o dia caminhando e postando fotos nas redes sociais mostrando sua solidariedade com os gays, ao usar a hashtag #Allemannenhandinhand (Todos os homens de mãos dadas, em holandês). O movimento também se espalhou por outros países, onde funcionários de consulados e embaixadas se engajaram na campanha.

No último domingo, Jasper Vernes-Sewratan, de 35 anos, e Ronnie Sewratan-Vernes, de 31, foram espancados por um grupo de adolescentes. O casal contou que estava voltando de uma festa e foi atacado porque estava de mãos dadas. Cinco suspeitos já foram presos pela polícia.

Nas ruas de Amsterdam, capital da Holanda, centenas de pessoas realizaram uma passeata pacífica, com muitas bandeiras coloridas, símbolo do movimento LGBT.

O governo holandês também usou as redes sociais para protestar contra a homofobia. Em sua conta no Twitter, o vice-primeiro-ministro, Lodewijk Asscher, publicou uma foto de mãos dadas com o colega Jereon Dijsselbloem, do partido Trabalhista. Já o primeiro-ministro, Mark Rutte, condenou o ataque, que classificou de deplorável. Segundo ele, a luta contra a homofobia será uma das prioridades de sua administração.

Holandeses dão aos mãos em apoio aos gays

Vice-primeiro-ministro, Lodewijk Asscher, de mãos dadas com Jereon Dijsselbloem, do partido Trabalhista

A hashtag #allemannenhandinhand foi usada pela primeira vez pela jornalista Barbara Bared, que escreveu no Twitter a frase “Todos os homens (heterossexuais e gays) podem, por favor, apenas andar de mãos dadas”.

Infelizmente, em diversos países, tem crescido uma onda de intolerância, preconceito e xenofobia. Recentemente, um jovem refugiado curdo foi atacado na periferia de Londres por uma gangue.

Por outro lado, cada vez mais gente tem protestado publicamente contra atitudes inaceitáveis como estas. Mostramos aqui, no Conexão Planeta, como milhares de mulheres, no mundo todo, foram às ruas em janeiro, pela igualdade de gêneros e também, esta semana, como brasileiras se mobilizaram contra o assédio sexual depois da denúncia contra o ator José Mayer .

Sim, juntos somos mais fortes!!!!

Leia também:
Áustria elege presidente ambientalista de esquerda e Filipinas, primeira deputada transgênero
Obama é primeiro presidente americano em capa de revista LGBT
Um beijo pela paz e pelo fim da intolerância

Foto: reprodução Twitter

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta