Grupo de 40 baleias cachalote é flagrado em registro raríssimo no litoral de São Paulo

Grupo de 40 baleias cachalote é flagrado em registro raríssimo no litoral de São Paulo

Uma imagem linda e surpreendente foi gravada pela equipe da Socioambiental Consultoria, durante o trabalho de monitoramento de baleias e golfinhos na Bacia de Santos.

Do alto de um avião, a equipe se deparou com um grupo de aproximadamente 40 baleias cachalote.

“Em termos de registro, é raro. Estamos, justamente, estudando o comportamento delas, já que estão geralmente concentradas no talude (região de declive) da plataforma continental (porção mais rasa, de até 200 metros de profundidade), mais na região sul”, explicou o biólogo José Olímpio da Silva Junior, da Socioambiental, em entrevista ao portal de notícias G1.

O flagrante foi feito a mais de 300 km da costa. Elas estavam se deslocando na superfície, próximas à extremidade da Bacia de Santos, onde a profundidade passa dos 2 mil metros.

Gigante dos mares

A cachalote (Physeter macrocephalus) é o maior mamífero com dentes do planeta. O macho pode alcançar até 20 metros de comprimento e pesar 45 toneladas.

Entre suas principais características está a enorme cabeça, que representa até 35% de seu corpo. O cérebro da cachalote é o maior em tamanho de um ser vivo.

As cachalotes são animais extremamente sociáveis. Quando a fêmea tem seu filhote, os demais membros do grupo ficam por perto, para protegê-la.

A espécie se alimenta de polvos, lulas e peixes encontrados em regiões muito profundas dos oceanos. Por ter sofrido com a caça durante muitos séculos, as cachalotes são classificadas como “vulneráveis à extinção” pela Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Baleia cachalote encontrada morta na Espanha tinha 29 kg de plástico no estômago

As cachalotes podem viver mais de 70 anos

Monitoramento das espécies

O Projeto de Monitoramento de Cetáceos na Bacia de Santos (PMC-BS) é uma exigência ambiental definida pelo IBAMA para que a Petrobras possa explorar a região para a produção de petróleo e gás natural.

Em geral, os pesquisadores passam cinco horas no ar, por dia, durante uma semana. “Realizamos a campanha de sobrevôo percorrendo linhas perpendiculares ao comprimento da bacia. Vasculhamos toda ela, vamos de baixo para cima, começando por Florianópolis (SC) e terminando em Cabo Frio (RJ)”, explica Fernando Roberto, coordenador da Campanha de Avistagem Aérea.

Os pesquisadores da Socioambiental fazem registros fotográficos e recolhem dados, como abundância e época de ocorrência da população de golfinhos e baleias.

Também faz parte do programa o acompanhamento mais próximo, em barcos, quando são coletadas biópsias (pequenos pedaços de pele e gordura) para análises genéticas e de contaminantes/biomarcadores e imagens para identificação dos animais e de possíveis doenças e lesões na pele.

Leia também:
Baleia cachalote encontrada morta na Indonésia tinha sacolas, sandálias e mais de 100 copos plásticos no estômago
Presença de baleias cachalotes no Ártico aumenta temor de cientistas sobre aquecimento dos oceanos
Baleia cachalote encontrada morta na Espanha tinha 29 kg de plástico no estômago

Fotos: reprodução Facebook Socioambiental Consultoria (abertura) e
Inf-Lite Teacher/Creative Commons/Flickr (meio do texto)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

3 comentários em “Grupo de 40 baleias cachalote é flagrado em registro raríssimo no litoral de São Paulo

  • 4 de abril de 2019 em 10:28 PM
    Permalink

    Parabéns Suzana. Adoro tuas reportagens!

    Resposta
    • 8 de abril de 2019 em 8:56 AM
      Permalink

      Obrigada, querida!!!!
      Beijos!

      Resposta

Deixe uma resposta