Governo do Paraná propõe isenção de IPVA e ICMS para carros elétricos

Brasil ganha primeira rodovia com pontos para recarga de carros elétricos

O Brasil ainda está muito longe de pensar em um futuro, ou sequer, um presente elétrico. Segundo dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVS), em 2018, apenas 0,02% da frota de 2 milhões de automóveis do país era movida por esse tipo de energia. Em números reais, isso significa algo em torno de 8 mil unidades, incluindo aí carros, ônibus e caminhões.

Até hoje, não houve vontade do governo federal em estimular o consumidor a trocar os veículos (poluentes) movidos a diesel e a gasolina pelos elétricos, ao contrário de um movimento que ganha cada vez mais espaço ano a ano no mundo.

Atualmente, no Brasil, os modelos com tecnologia elétrica disponíveis no mercado têm um custo altíssimo. Os preços dos mais baratos variam entre R$ 150 mil e R$200 mil.

Mas o governo do Paraná quer mudar esse cenário. Na semana passada, o governador Carlos Massa Ratinho Jr. anunciou o envio para a Assembleia Legislativa de um projeto de lei para zerar a alíquota do IPVA para usuários de carros elétricos. Além disso, ele mandou um pedido ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) solicitando a isenção do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na aquisição dos veículos elétricos.

Atualmente os paranaenses pagam uma alíquota de 3,5% de IPVA. “A ideia é diminuir cada vez mais o preço dos veículos elétricos e torná-los mais acessíveis à população”, disse Ratinho Jr. “Estamos trabalhando antenados naquilo que o mundo vem fazendo. A busca de soluções sustentáveis é uma realidade com o uso de carros que poluem menos”, enfatizou.

Previsões de especialistas apontam que, globalmente, o número de carros elétricos nas ruas triplicará nos próximos dois anos. Segundo a International Energy Agency (IEA), a expectativa é que aconteça um salto de 3,7 milhões de veículos para 126 milhões em 2030.

Em 2017, mais da metade das vendas deste tipo de carro ocorreu na China, que deve se manter o líder da demanda na próxima década. Em seguida, estão os americanos. Para combater a poluição no país, que atinge níveis alarmantes e provoca milhares de mortes, o governo chinês lançou uma série de incentivos para a compra de automóveis elétricos, entre eles, uma taxa de 10% de desconto até 2020.

No ano passado, o Brasil ganhou a primeira rodovia com pontos para recarga de carros elétricos, um trecho de 430 km, com seis postos de recarga gratuita entre São Paulo e Rio de Janeiro.

Os postos estão localizados a uma distância de cerca de 122 km entre eles, nas cidades de Guararema, São José dos Campos, Guaratinguetá e Queluz (todas no estado de São Paulo) e Piraí, no Rio de Janeiro.

A iniciativa é das empresas BMW Brasil e Energias de Portugal (EDP), parceiras neste projeto.

O tempo estimado para uma recarga de 80% da bateria é de 25 minutos. Dois automóveis podem ser recarregados ao mesmo tempo em cada posto.

O Paraná também já tem uma “eletrovia”. São oito postos com recarga elétrica na BR-277, ligando Paranaguá, no litoral, a Foz do Iguaçu, no oeste do estado.

Leia também:
Volvo só produzirá carros elétricos e híbridos a partir de 2019
Governo alemão dará subsídio para compra de carros elétricos
Novos táxis pretos de Londres serão todos elétricos
Elétrico, autônomo, conectado e compartilhado 
Holanda pode aprovar lei que só permitirá compra de carros novos elétricos
Suíça testa primeiro sistema de ônibus elétricos sem motorista do mundo
Carros elétricos serão recarregados nas ruas de Munique

Foto: divulgação BMW Brasil

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta