Gisele Bündchen é homenageada pela Universidade da Califórnia por seu ativismo ambiental

Na semana passada, 14/1, a ministra da Agricultura do governo Bolsonaro, Tereza Cristina – mais conhecida como “a musa do veneno” -, foi destaque no noticiário ao criticar o ativismo ambiental de Gisele Bündchen, dizendo que ela deveria apoiar o agronegócio em seu país, ser sua embaixadora. Ah, era só o que faltava. A brasileira mais famosa do planeta e Embaixadora da Boa Vontade da ONU apoiar um setor em que a maioria dos produtores visa destruir biomas para plantar e promover o uso de agrotóxicos!

Gisele respondeu com elegância. Reproduzimos seus posts no Twitter a respeito do comentário da ministra, no link que indiquei acima. Vale a leitura.

Pois o mais interessante é que, na mesma semana, o Instituto do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Ioes) da UCLA – Universidade da Califórnia, em Los Angeles, divulgou que Gisele será homenageada em seu encontro anual, o Hollywood for Science Gala, que reúne líderes globais em filantropia, entretenimento e negócios, em 21 de fevereiro. E porquê? Por seu ativismo em favor do meio ambiente e, especialmente, da Amazônia, oras!

Porque, desde que visitou uma aldeia indígena na floresta amazônica, ela tem se tornado uma forte defensora da captação de recursos para apoiar causas e de ações de conscientização pela preservação dos recursos naturais e pela proteção dos povos indígenas.

Science Gala é organizado por Milutin Gatsby, presidente do Ioes, que faz captação de recursos, fazendo a conexão entre pessoas e causas. Como em todos os anos, o encontro será realizado na propriedade de Jeanne e Tony Pritzker, em Bel Air, e contará com um leilão cuja renda integral apoiará o instituto e suas iniciativas pela Ciência. Afinal, seu slogan é Levando a Ciência à Ação.

Como Gisele se tornou ativista

Tudo começou em 2003, quando ela viajou à região do Xingu, na parte que fica na Amazônia, e começou a prestar atenção ao que estava acontecendo com a natureza. “Passei uma semana em uma tribo indígena e todos reclamavam que estavam doentes porque as águas estavam poluídas. Eram os pesticidas que contaminavam os rios. E não havia árvores para protegê-los. Os peixes também estavam doentes. E me perguntei porque ninguém fazia algo a respeito disso”.

Foi assim que Gisele começou a divulgar dicas de consumo consciente em seu site e nas redes sociais. E criou a ONG Água Limpa, para promover campanhas de plantio de árvores pela Amazônia com o intuito de ajudar a purificar a água dos rios.

Depois vieram engajamentos em outras campanhas e a adesão a movimentos como o Believe Earth, lançado no Rock in Rio, em setembro do ano passado. Em 2016, ela sobrevoou a Amazônia na companhia do presidente do Greenpeace Brasil, Paulo Adario, e chorou de tristeza. Do alto, na região de Alta Floresta, viu imensas áreas desmatadas e queimadas, que se logo tornaram pasto. Na época, participava de gravações para o segundo episódio da série americana de documentários Years of Living Dangerously, com o cientista expert em Amazônia, Antonio Nobre.

Enfim, a moça se tornou uma voz importante para convencer o mundo de que é importante preservar e que a Amazônia é imprescindível para a vida na Terra. Mais que merecida esta homenagem da UCLA.

A atriz e cantora americana Barbra Streisand também estará com Gisele na noite do dia 21 de fevereiro. Ela foi indicada para a homenagem por seu ativismo ambiental e social, focado no direito das mulheres, que realiza com sua Fundação Streisand.

Foto: Reprodução/Facebook

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta