Fundo BIS lança edital de R$ 280 mil para financiar iniciativas de fomento à cultura da doação


Ainda muito insípida no Brasil, a cultura da doação representa apenas 0,23% do PIB nacional, de acordo com as pesquisas Doação Brasil (2015) e Eficácia dos Investimentos Sociais McKinsey (2008). Esse montante é metade da média praticada na América Latina (0,4%) e 1/4 da mundial (0,8%). Nos Estados Unidos, a prática da doação ‘abocanha’ 2%.

Ainda temos muito o que fazer para mudar esse cenário e, é por isso que o GIFE – entidade que reúne inúmeras instituições e organizações – está engajado par transformar essa realidade e incuba este movimento do Fundo BIS.

Tudo começou quando um grupo de organizações e pessoas envolvidas com essa causa decidiu criar um fundo para financiar exclusivamente iniciativas de fomento à cultura e à prática da doação. Lançado com aportes dos institutos Arapyaú, Cyrela, de Cidadania Empresarial e C&A, em seguida recebeu apoio do GIFE, como organização incubadora.

Junto com outras organizações – como o Movimento por uma Cultura de Doação – o GIFE criou um Comitê Curador e selecionou o gestor (ponteAponte) do primeiro edital, lançado este mês. É como uma edição piloto, aberta a proponentes pessoas jurídicas ou físicas. Ou seja, todos podem aderir: coletivos, movimentos ou indivíduos.

Além de ampliar e desenvolver o “ecossistema da contribuição” no Brasil – a doação em dinheiro está entre as 10 maiores economias do mundo!! – , esse movimento visa qualificar o debate e a reflexão sobre a importância da doação para ONGs. Interessante e importante!

“Queremos mobilizar investidores para apoiar esta causa e, ao mesmo tempo, diversos segmentos da sociedade, academia, sociedade civil organizada, setor privado e até pessoas físicas, para que pensem soluções e estratégias que possibilitem o aumento da qualidade e volume das doações no Brasil”, destaca Erika Saez, gerente de Fomento e Inovação no GIFE. “É preciso confiar no trabalho das ONGs e entendê-las como parte da solução para algumas questões sociais. O Fundo BIS visa promover a cultura de doação no país, estimulando mecanismos seguros para tal, além de apoiar iniciativas que criem um ambiente cada vez mais favorável e motivante para que todos os brasileiros e brasileiras sejam, com orgulho, doadores e doadoras”.

As iniciativas não precisam ser inéditas, mas devem focar na promoção da cultura de doação em uma das áreas predefinidas para os investimentos. Veja:
– inovação para promoção da cultura de doação,
– novas práticas e mecanismos para promover a doação;
– campanhas de comunicação e produção de conteúdo de incentivo à cultura de doação, que ampliem o debate na mídia sobre a doação e o papel das ONGs na sociedade contemporânea;
– pesquisa, produção e disseminação de conhecimento, que gerem e disseminem dados relevantes e informação sobre o contexto de doação no Brasil e
– iniciativas de ‘advocacy e incidência, que tornem o ambiente regulatório favorável para ampliar a cultura de doação.

Se interessou? Então inscreva seu projeto até 1º de setembro! A divulgação dos selecionados será feita em 15 de dezembro.  Quer mais informações? Acesse o edital completo no site do Fundo BIS.

Foto: Dabliê/Wir Caetano

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Deixe uma resposta