Filhote de urso polar fica com lata presa na boca em reserva no Ártico

urso-polar-lata-boca-conexao-planeta

Logo de início, é bom esclarecer que o filhote já está bem. Mas a imagem é realmente muito triste. O episódio aconteceu no final de outubro, na remota Ilha de Wrangel, uma reserva de proteção natural, localizada acima da linha do Ártico, em território russo e considerada pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.

A família de ursos polares, uma mãe e seu filhote, foram encontrados pelos guardas florestais da reserva. Curioso, o pequeno urso viu uma lata de metal e brincando com ela, acabou ficando com a mesma presa na boca. Imediatamente, os dois animais foram colocados para dormir com tranquilizantes.

Em poucas horas, mãe e filho urso já estavam bem, e foram fotografados caminhando lado a lado novamente, como você confere nas imagens ao final deste post.

O mais impressionante nesta notícia é imaginar que o lixo produzido pela humanidade consegue ir parar em locais tão distantes. A Ilha de Wrangel é montanhosa e possui uma biodiversidade riquíssima. Como a região não foi congelada durante a Era do Gelo, ela possui a maior população de morsas do Pacífico e é habitat da maior quantidade do mundo de ursos polares ancestrais vivendo em cavernas (cientistas acreditam que a espécie é originária de ursos marrons que viviam na área da Irlanda antes da Era do Gelo, entre 10.000 e 38.000 anos atrás).

A Ilha de Wrangel também é um importante ponto migratório para baleias-cinzentas, vindas do México, e mais de 100 espécies de aves, muitas delas ameaçadas de extinção, que encontram ali um lugar perfeito para se reproduzir, como por exemplo, o ganso-das-neves (Chen caerulescens), originário da Ásia.

Ilhas de lixo flutuando pelos oceanos

Um estudo internacional, realizado em 2014, pela organização não-governamental 5 Gyres, denunciou que há mais de 5 trilhões de pedaços – grande e pequenos – de plásticos flutuando pelos oceanos do planeta. Seriam cerca de 269 mil toneladas de resíduos, que foram jogados em nossos mares.

Todos estes detritos, que estão boiando pelos oceanos, formam ilhas enormes de lixo, que se movem continuamente, empurradas pelas correntes marinhas.

No começo deste ano, outra cena também chamou a atenção de ambientalistas. Há mais de 30 anos velejando pelo mundo, a Família Schurmann se assustou com a quantidade absurda de lixo encontrada em West Fayu, uma ilha totalmente deserta, situada na Micronésia, no norte do Oceano Pacífico. “As pessoas não imaginam que o lixo jogado no mar pode viajar milhares de milhas, colocando em risco a vida marinha e poluindo um local lindo como este”, disse na época, o brasileiro Vilfredo Schurmann (leia mais neste outro post).

Nosso lixo está matando os animais do planeta. Por isso, é tão importante divulgar imagens como esta, do filhote do urso polar, que serve de alerta para que as pessoas se conscientizem que é preciso reduzir nosso consumo e ser mais responsável na hora do descarte de resíduos.

urso-polar-lata-boca-3-conexao-planeta

Mãe e filhote receberam tranquilizantes

urso-polar-lata-boca-4-conexao-planeta

Os guardas conseguiram retirar a lata da boca do pequeno urso polar

urso-polar-lata-boca-2-conexao-planeta

A Ilha de Wrangel é é habitat da maior quantidade de ursos polares ancestrais,
vivendo em cavernas, do mundo

Leia também:
Em foco, o impacto do lixo sobre a vida selvagem
Esculturas que entram de sola
Peixes fantasiados de lixo
Esculturas feitas de lixo: arte para salvar o mar

Fotos: divulgação Wrangel Island Nature Reserve

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta