Fertilização artificial é esperança derradeira para salvar da extinção o rinoceronte branco do norte

Fertilização artificial pode ser esperança derradeira para salvar da extinção os rinocerontes brancos do norte

Sudan era o último macho sobrevivente no mundo dessa espécie africana. O rinoceronte branco do norte morreu em março de 2018. Aos 45 anos, ele estava doente e sofrendo muito, por isso, precisou ser sacrificado.

Com sua morte, restaram somente sua filha Najin e sua neta, Fatu, as últimas fêmeas da espécie. Infelizmente, nenhuma das duas têm condições físicas para gestarem um filhote.

Apesar disso, recentemente, a organização do Quênia Ol Pejeta Conservancy, que cuidou de Sudan até seus últimos dias, anunciou que havia conseguido coletar e fertilizar, com sucesso, óvulos de Najin e Fatu.

Dos dez óvulos coletados, sete foram inseminados artificialmente com o esperma congelado e guardado de dois machos de rinocerontes brancos do norte, já falecidos.

Segundo a Ol Pejeta, este é um passo importantíssimo na criação de embriões viáveis, que possam ser congelados e depois transferidos para fêmeas de rinocerontes brancos do sul.

A fertilização dos óvulos contou com o trabalho de um
consórcio de cientistas internacionais

Subespécies: geneticamente similares

Há cinco espécies de rinocerontes no planeta, três na Ásia (de java, de sumatra, indiano) e duas na África subsaariana (negro e branco). Alguns deles ainda apresentam subespécies, dependendo da região onde são encontrados e algumas pequenas características que os diferenciam.

É o caso dos rinocerontes brancos, que se dividem em do norte e do sul. Estes últimos ainda existem em grande número, cerca de 18 mil indivíduos livres na natureza, e pesquisadores acreditam que, por serem muito próximos geneticamente, as fêmeas do sul poderão receber embriões de rinocerontes brancos do norte.

“Agora, os óvulos injetados são incubados e precisamos esperar para ver se algum embrião se desenvolve até o estágio em que possa ser criopreservado para transferência posterior”, explicou Cesare Galli, cientista italiano que liderou o processo de fertilização.

Caça ao rinoceronte: extermínio das espécies

Todas as cinco espécies de rinocerontes estão em risco de extinção. Alguns mais do que outros. É o caso, por exemplo, do rinoceronte negro do leste (Diceros bicornis michaeli), considerado criticamente ameaçado. Em maio, mostramos também que um filhote dessa subespécie nasceu em um zoológico de Chicago.

Por anos e anos, milhares de rinocerontes foram mortos cruelmente na África. Caçadores tiram a vida desses animais para arrancar suas presas e vender o marfim ao mercado asiático, que abastece a crença de que ele possui “poderes medicinais”.  O quilo do chifre é vendido por até 50 mil dólares.

Leia também:
Nascimento de rinoceronte branco em zoo de San Diego é esperança para salvar espécie da extinção
Biólogos celebram nascimento de rinoceronte raro com um chifre só
Caçadores de rinocerontes passarão 25 anos na prisão, em condenação histórica na África do Sul

Fotos: divulgação Ol Pejeta

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta