Feita de plástico reciclado, bicicleta sustentável brasileira ganha o mundo


bicicleta

Você sabe o que é a economia circular? É um conceito que defende que a nossa produção de bens deve estar baseada na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. Nos remete, sem dúvida nenhuma, à famosa frase do químico francês Antoine Laurent Lavoisier: “Nada se cria, tudo se transforma”.

E parece que o artista plástico uruguaio, radicado no Brasil, Juan Muzzi, se inspirou na economia circular – ou será em Lavoisier?! -, para fundar a Muzzicycles. Ele criou uma bicicleta feita com plástico reciclado. Sem soldas e amortecedor, a bike também não leva pintura e não enferruja. Além disso, é levíssima: o quadro de plástico pesa entre 5 e 6kg.

Que máximo, não?!

E como ela é produzida? Simples. Resíduos plásticos são triturados até virar grãos. Depois disso, são adicionados aditivos químicos, que dão ao material maior resistência. Ele é então depositado em uma máquina injetora, que a coloca num molde. Três minutos e meio depois, o que era plástico descartado se transforma no quadro de uma bicicleta.

Feita de plástico reciclado, bicicleta sustentável brasileira ganha o mundo

Em três minutos e meio, plástico reciclado vira quadro de bicicleta

Segundo Muzzi, o processo de fabricação da sua bike, em comparação ao de uma tradicional, usa 96% a menos de energia e um mínimo de água. Em uma comum, são necessários 1 mil litros para se fazer um quadro.

Até hoje, a Muzzicycles já reciclou 15 toneladas de resíduos plásticos e com eles, fabricou 132 mil bicicletas. Os resíduos utilizados vêm de organizações que trabalham com a coleta de sucata. As bicicletas são vendidas em diversas cores – ao gosto do cliente -, e nos aros 24, 27 e 29.

A marca afirma que o material é bastante resistente, por isso mesmo, dá uma garantia vitalícia para suas bikes. “Elas não quebram nunca mesmo. É um produto para a vida toda”, afirma Muzzi. “Mudando a roda, dá pra passar de pai para filho”, ele me diz.

A magrela sustentável custa a partir de R$ 784 à vista, o modelo mais simples.


Laranja, vermelha, amarela, verde ou preta: a cor quem define é o cliente

Mente em ebulição

O uruguaio, formado em Engenharia e Artes Plásticas, se deixou levar pelo seu lado mais criativo. “A arte é o celeiro do desenvolvimento”, diz.

Foram necessários 12 anos de investimento para montar a fábrica em São Paulo. A inspiração, conta Muzzy, veio de um osso humano (não, não foi em Lavoisier!): ele é oco e daí, lógico veio à sua mente, a ideia de um cano de bicicleta.

Hoje o empresário, de coração brasileiro, diz que tem mais clientes no exterior do que aqui. As bikes ecológicas podem ser vistas rodando por cidades do mundo inteiro: Holanda, Argentina, Polônia e em breve, chegarão em Viena, na Áustria, e na Califórnia, nos Estados Unidos.

A Muzzicycles já recebeu prêmios nacionais e internacionais, atestado do design inovador e sustentável. Entre eles, em 2016, ganhou o Top XXI – Prêmio Design Brasil e o Bienal Iberoamericana de Diseño, na Espanha, e no ano seguinte, levou o Sustentar, na categoria Mobilidade Urbana Ecológica.

Polícia Militar no Rio de Janeiro: a bike não enferruja

O próximo sonho desse artista, que conquista qualquer um com sua simpatia, é desenvolver uma bike com corrente de borracha, assim será a companheira perfeita em pedaladas na areia da praia.

Ah, entre uma bike e outra, ele também pinta, cria esculturas e cerâmicas. Um artista completo. Uma mente em ebulição, que também se preocupa com o meio ambiente.


Juan Muzzi e a magrela de plástico reciclado

Leia também:
Amsterdam, a cidade das bicicletas
Maior estacionamento de bicicletas do mundo é inaugurado na Holanda
Oslo dá subsídio para população de US$1.200 para compra de bicicletas elétricas
Número de bicicletas ultrapassa o de carros em Copenhague
Vá de bike! App mapeia ciclovias e indica onde alugar bicicletas em SP
Milão pode pagar motoristas que trocarem carro por bicicleta

Fotos: divulgação Muzzicyles

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta