Fazendas urbanas se espalham pelos telhados de Nova York e Chicago

fazendas-urbanas-espalham-telhados-nova-york-chicago-conexao-planeta

Um dos principais problemas referente ao desperdício de alimentos no mundo é o processo de logística. Produzidas no campo, verduras, frutas e hortaliças são transportadas por longas distâncias e, neste caminho, apodrecem ou são perdidas. Sem contar, a poluição gerada pelo transporte destes alimentos: caminhões movidos a gasolina ou diesel emitem dióxido de carbono na atmosfera, agravando ainda mais os efeitos do aquecimento global.

Mas, e se o que é plantado no campo, fosse produzido localmente, em grande escala, dentro das cidades?

O que parece impossível, entretanto, já é uma realidade em cidades como Nova York e Chicago. Nelas, imensas estufas foram instaladas em telhados de edifícios e dentro delas são cultivadas toneladas de hortaliças orgânicas através do sistema hidropônico (que usa água no lugar de terra), sem pesticidas, somente com controle biológico. E outro detalhe importantíssimo: usando energia renovável.

fazendas-urbanas-espalham-telhados-nova-york-chicago-9-conexao-planeta

Toneladas de manjericão são produzidas anualmente nas estufas gigantes

Os amigos americanos Viraj Puri e Eric Haley fundaram a Gotham Greens em 2009. Incomodados em perceber que as verduras e ervas à venda nas prateleiras dos supermercados de Nova York, onde ambos moravam, vinham de lugares como Israel, Espanha ou México, os dois decidiram criar um negócio que realmente focasse a produção de alimentos de maneira “local, sustentável e natural”.

O que moveu Puri e Haley foi inovação e tecnologia. E segundo eles, o senso de comprometimento com a questão ambiental.

A primeira estufa foi inaugurada em 2011, no bairro do Brooklyn. A fazenda urbana tem cerca de 1,5 mil m2 e produz 45 toneladas de folhas por ano. Toda energia utilizada no local vem de painéis solares e a água para irrigação das plantas é reutilizada (gasta-se 1/10 do volume de água usado na agricultura tradicional).

fazendas-urbanas-espalham-telhados-nova-york-chicago-6-conexao-planeta

Viraj Puri e Eric Hal, os fundadores da Gotham Greens e 
Jennifer Frymark, chefe de operações das fazendas urbanas

Nos últimos cinco anos, a Gotham Greens inaugurou outras três grandes fazendas urbanas. Duas delas em Nova York, uma no Brooklyn e outra no Queens. Mas a maior de todas está em Chicago (é atualmente a maior fazenda urbana do mundo!). Aberta no ano passado, tem quase 7 mil m2 de área cultivada, onde são produzidas 10 milhões de cabeças de folhas verdes (diversos tipos de alface, rúcula e agrião) e manjericão.

A estufa gigante foi construída no telhado da fábrica de produtos de limpeza Method, outra marca comprometida com a sustentabilidade (ela não produz nada que seja tóxico para os seres humanos, animais ou meio ambiente). No local, existe uma turbina eólica, responsável por suprir a demanda de 50% da energia utilizada ali, além de painéis solares. A planta da Method tem certificação LEED-Platinum, que garante sua eficiência energética.

fazendas-urbanas-espalham-telhados-nova-york-chicago-7-conexao-planeta

Todas as estufas das fazendas utilizam energia renovável

Outra das fazendas urbanas da Gotham Greens está localizada no topo de uma das lojas da cadeia Whole Foods Market. Conhecida internacionalmente por comercializar orgânicos e privilegiar pequenos fornecedores locais, a cadeia procurou Haley e Puri oferecendo uma parceria.

Em 2013, a estufa iniciou seu funcionamento. Além de hortaliças, nela também são cultivados tomates. Atualmente, o que é colhido no telhado da loja, desce diretamente para as gôndolas da Whole Foods e o cliente tem à disposição ingredientes fresquíssimos, que não precisam viajar quilômetros de distância para chegar até ali.

Todas as estufas são climatizadas, desta maneira, não são impactadas pelas mudanças bruscas do clima, durante verão e inverno, que ocorrem normalmente nos Estados Unidos. Por isso mesmo, os alimento são plantados e colhidos todos os meses do ano.

A produção da Gotham Greens é toda vendida para restaurantes e mercados locais. O conceito deles é servir o que foi colhido pela manhã, já na hora do almoço.

Pela inovação no setor agrícola, a empresa tem recebido uma série de premiações. Em 2013 conquistou o Environmental Excellence Award, do Departamento de Conservação Ambiental de Nova York e em 2015, foi listada pela Business Insider entre os 50 Coolest Businesses in America (50 negócios mais legais dos Estados Unidos).

Fazendas urbanas se espalham pelos telhados de Nova York e Chicago

Todos os produtos são orgânicos e vendidos localmente

Os planos dos sócios da companhia do Brooklyn é levar as fazendas urbanas para mais e mais cidades dos Estados Unidos. É um modelo de sucesso que pode ser replicado em qualquer lugar do mundo. Já dá até para imaginar imensas estufas de fazendas urbanas sobre os prédios da Avenida Paulista, não dá?

fazendas-urbanas-espalham-telhados-nova-york-chicago-8-conexao-planeta

Otimização de espaço: as fazendas ficam no topo de edifícios

fazendas-urbanas-espalham-telhados-nova-york-chicago-3-conexao-planeta

Produção local, com consumo local: o ciclo da sustentabilidade

fazendas-urbanas-espalham-telhados-nova-york-chicago-10-conexao-planeta

O que é colhido pela manhã, já está no prato do cliente na hora do almoço

Leia também:
Fazenda no deserto produz toneladas de tomates usando somente a luz do sol e a água do mar
Sustentável e lucrativa: fazenda suíça é exemplo de sucesso no turismo agrícola

Fotos: divulgação Gotham Greens

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

2 comentários em “Fazendas urbanas se espalham pelos telhados de Nova York e Chicago

  • 18 de novembro de 2016 em 6:00 PM
    Permalink

    Tô amando essa história de priorizarmos o local, o feito à mão, a troca entre vizinhos. Durante alguns anos foi tão legal consumir o ‘padrão’, mesmo que ele custasse uma fortuna (financeira e ambientalmente falando), mas parece que finalmente estamos adotando uma postura mais consciente. Esse caso das fazendas urbanas é um belo exemplo.

    Resposta
    • 19 de novembro de 2016 em 8:06 AM
      Permalink

      Oi Mariana,
      Obrigada pela mensagem.
      Pois é, parece que estamos precisando olhar para o passado e retomar coisas que esquecemos, simples do dia-a-dia.
      Grande abraço,
      Suzana

      Resposta

Deixe uma resposta