“Faça-nos um favor, presidente. Comece a tratar a ciência com respeito”, diz cientista a Trump, sobre ações contra coronavírus e crise climática

"Faça-nos um favor, presidente. Comece a tratar a ciência com respeito", diz cientista a Trump, sobre ações contra coronavirus e crise climática, destaca texto

*Atualizado em 31/03/20

Em meio a atual crise global, provocada pela pandemia do novo coronavírus, COVID-19, que já matou mais de 40 mil pessoas, infectou 826 mil e deixou em quarentena países inteiros, o presidente dos Estados Unidos vem sendo duramente criticado pela resposta ineficaz de seu governo para combater a disseminação da doença. E na última sexta-feira (13/03), um editorial da renomada revista Science, deu uma mensagem dura a Donald Trump.

Intitulado “Faça-nos um favor”, o texto lembra que, nos últimos quatro anos, o presidente americano negou todas as evidência científicas sobre as mudanças climáticas e cortou o orçamento para pesquisas no país, inclusive, na área de saúde.

Mas diante do coronavírus, que prolifera nos Estados Unidos – já são mais de 174 mil casos e 3 mil mortes no país -, Trump disse a executivos da indústria farmacêutica, em uma reunião recentemente, que eles precisam se apressar para desenvolver logo uma vacina contra o COVID-19.

Perante a fala do presidente, Holden Thorp, editor chefe da Science, publicou o seguinte texto, que traduzimos para o português abaixo:

“Façam-me um favor, acelerem, acelerem”. Foi o que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse… aos executivos farmacêuticos sobre o avanço em direção a uma vacina para a síndrome respiratória aguda grave – coronavírus 2 (SARS-CoV-2), que causa o coronavírus (COVID-19).

Anthony Fauci, líder de longa data do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (dos Estados Unidos), tem dito repetidamente ao presidente que o desenvolvimento da vacina levará pelo menos um ano e meio – a mesma mensagem transmitida pelos executivos farmacêuticos. Aparentemente, Trump pensou que simplesmente repetir seu pedido mudaria o resultado.

A China, com razão, foi criticada pelas tentativas esmagadoras de barrar que cientistas relatassem informações durante o surto. Agora, o governo dos Estados Unidos está fazendo algo semelhante. Dizer a Fauci e outros cientistas do governo que eles devem compartilhar primeiramente todos as informações públicas com o vice-presidente Mike Pence é inaceitável.

Não é hora de alguém que nega evolução, mudança climática e os perigos de fumar elaborar a mensagem pública. Graças a Deus, Fauci, Francis Collins [diretor do Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH)] e seus colegas de agências federais estão dispostos a seguir em frente e estão gradualmente divulgando a mensagem.

Enquanto os cientistas tentam compartilhar fatos sobre a epidemia, o governo os bloqueia ou os reafirma com contradições. As taxas de transmissão e de mortalidade não são medidas que podem ser alteradas com vontade e uma apresentação extrovertida. O governo disse repetidamente – como fez na semana passada – que a disseminação do vírus nos Estados Unidos estava contida, quando fica claro a partir de evidências genômicas que a contaminação comunitária está ocorrendo no estado de Washington e além.

Esse tipo de distorção e negação é perigoso e quase certamente contribuiu para a resposta lenta do governo federal. Depois de três anos debatendo se as palavras desta administração são importantes, as palavras agora são claramente uma questão de vida ou morte.

E, embora as etapas necessárias para produzir uma vacina possam ser mais eficientes, muitas delas dependem de processos biológicos e químicos essenciais…

Não espero que os políticos conheçam as equações de Maxwell para eletromagnetismo ou a reação química de Diels-Alder (embora eu possa sonhar). Mas você não pode insultar a ciência quando não gosta e, de repente, insistir em algo que a ciência não pode dar sob demanda. Nos últimos quatro anos, o orçamento do presidente Trump fez cortes profundos na ciência, incluindo no financiamento dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças e do National Institute of Health (NIH).

Com o desprezo desse governo pelas ciências da Agência de Proteção Ambiental e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica, e a nomeação estagnada de um diretor do Escritório de Política Científica e Tecnológica – tudo para apoiar objetivos políticos -, o país teve quase quatro anos de danos. E ignorando a ciência.

Agora, o presidente de repente precisa de ciência. Mas os séculos passados ​​elucidando princípios fundamentais que governam o mundo natural – evolução, gravidade, mecânica quântica – envolveram a criação de bases para saber o que podemos e o que não podemos fazer. As maneiras pelas quais os cientistas acumulam e analisam evidências, aplicam o raciocínio indutivo e sujeitam as descobertas ao escrutínio por pares foram comprovadas ao longo dos anos para dar origem a um conhecimento robusto.

Esses processos estão sendo aplicados à crise do COVID-19 por meio de colaboração internacional em uma velocidade vertiginosa e sem precedentes; a Science publicou dois novos artigos no início deste mês sobre o SARS-CoV-2, e mais estão a caminho.

Mas os mesmos conceitos usados ​​para descrever a natureza são usados ​​para criar novas ferramentas. Portanto, pedir uma vacina e distorcer a ciência ao mesmo tempo são surpreendentemente dissonantes.

Uma vacina precisa ter uma base científica fundamental. Tem que ser fabricável. Tem que ser segura. Isso pode levar um ano e meio – ou muito mais. Os executivos farmacêuticos têm todo estímulo para chegar lá rapidamente – afinal, eles estarão vendendo a vacina – mas, felizmente, eles também sabem que você não pode violar as leis da natureza para chegar lá.

Talvez devessemos ser felizes. Há três anos, o presidente declarou seu ceticismo em relação às vacinas e tentou lançar uma força-tarefa antivacina. Agora ele de repente adora vacinas.

Mas faça-nos um favor, Sr. Presidente. Se você quer algo, comece a tratar a ciência e seus princípios com respeito”.

Comentando o artigo da Science, o físico Paulo Artaxo, professor da USP e um dos cientistas mais respeitados do Brasil, escreveu em sua página no Facebook:

“Ciência não se faz do dia para a noite. É fruto de décadas de investimento continuado…

E aqui (no Brasil)? Corta-se recursos da FIOCRUZ, Adolfo Lutz, universidades e institutos de pesquisa, que em alguns dias sequenciaram o genoma do COVID-19, caminho importante para desenvolver uma vacina. Destrói-se uma infraestrutura de pesquisa conscientemente, até descobrir que é essencial em qualquer sociedade moderna.

Esse editorial é uma resposta de qualquer pesquisador brasileiro ao nosso governo e a todos os brasileiros que aprovam (sem conhecer as possíveis consequências) o estado mínimo.

Vale muito a leitura o texto da Science…”

———————————————————————————–

*Texto alterado para atualização de números de contaminados e mortos devido ao coronavírus

Leia também:
Coronavírus ganha aplicativo com dicas e informações atualizadas e um serviço de checagem contra fakenews via WhatsApp
Greta pede que jovens não vão para as ruas por causa do coronavírus, mas mantenham protestos pela internet

Imagem: ilustração pixabay/domínio público

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta