Exposição “Faces do Refúgio”, em SP, mostra drama da maior crise humanitária do planeta

Exposição “Faces do Refúgio”, em SP, mostra drama da maior crise humanitária do planeta

68,5 milhões de pessoas foram obrigadas a abandonar suas casas em 2017. Guerras, violência e perseguições fizeram com que um número recorde de refugiados deixasse para trás familiares e amigos no ano passado. 52% deles são crianças, menores de 18 anos. Na procura por um novo lar, muitas acabam ficando órfãs.

O drama destes milhões de refugiados pode ser visto em imagens em uma exposição inaugurada na terça, (10/07), na capital paulista. “Faces do Refúgio” mostra o registro feito por fotógrafos internacionais em países como Síria, Sudão do Sul, República Democrática do Congo e Mianmar.

A mostra, organizada pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), tem 52 fotografias, que contam as histórias de resiliência de crianças, mulheres e homens, que enfrentaram graves violações de direitos humanos e buscam uma oportunidade de reconstruir suas vidas.

Segundo o levantamento Global Trends, divulgado pela ACNUR, 2017 representou um recorde histórico nos deslocamentos de refugiados. A cada dois segundos, uma pessoa foi obrigada a migrar para outro lugar, ou seja, 44.400 por dia. As populações dos países em desenvolvimento foram as mais afetadas. São famílias extremamente pobres e que não recebem ajuda alguma de seus governos.

A exposição “Faces do Refúgio” fica em cartaz até 23 de julho, no Shopping JK Iguatemi. A entrada é gratuita.

“FACES DO REFÚGIO”
Data: ate 23 de julho
Horário: : segunda a sábado (10h às 22h) e domingos e feriados (14h às 20h)
Local: MIT Point – Shopping JK Iguatemi
Endereço:  Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041, Piso Térreo
Entrada franca

Leia também:
‘Deslocamento Criativo’: refugiados movimentam a economia criativa em São Paulo
Sting chama líderes mundiais de covardes por sua incapacidade de lidar com os refugiados
Refugiados usam aromas e sabores da culinária de seus países para recomeçar vida no Brasil

Fotos: divulgação ACNUR Brasil

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta