Exposição a pesticidas eleva risco de desenvolvimento de Parkinson, revela estudo

Exposição a pesticidas eleva risco de desenvolvimento de Parkinson, revela estudo

A Doença de Parkinson é uma enfermidade degenerativa neurológica, que tem entre seus principais sintomas problemas motores (rigidez, tremor nas extremidades do corpo e instabilidade postural) e não-motores (distúrbios neuropsiquiátricos, do sono, autonômicos e sensitivos).

Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicam que aproximadamente 1% da população mundial, com idade superior a 65 anos, tem a doença. Somente no Brasil, estima-se que 200 mil pessoas sofram com o problema.

Infelizmente, ainda não há cura para o Parkinson, mas somente medicamentos que podem retardar ou diminuir o avanço da doença.

Um novo estudo divulgado recentemente na publicação Federation of American Societies for Experimental Biology revelou que pessoas expostas a certos tipos de pesticidas utilizados na agricultura têm maiores chances de desenvolver o Mal de Parkinson.

De acordo com os pesquisadores da Universidade de Guelph, em Ontário, no Canadá, mesmo o contato a pequenas doses do fungicida maneb e do herbicida paraquat podem ser um fator para o desencadeamento da doença. Este último, inclusive, já foi apontado por provocar sequelas também ao pulmão e fígado. Em alguns países, ele tem seu uso proibido.

“Pessoas expostas a esses produtos químicos têm um risco cerca de 250% maior de desenvolver a Doença de Parkinson do que o resto da população”, diz Scott Ryan, principal autor do artigo.

A associação entre estes dois tipos de pesticidas e o Parkinson não é novidade. Diversos outros estudos já fizeram esta ligação, baseados em testes com animais e experiências em laboratórios. Mas os cientistas canadenses foram os primeiros a revelar a mutação genética que ocorre em células humanas em consequência do contato com essas substâncias químicas.

“Até agora, a relação entre os pesticidas e a doença de Parkinson era baseada principalmente em estudos com animais, bem como em pesquisas epidemiológicas que demonstravam um aumento do risco entre agricultores e outros indivíduos expostos a produtos químicos agrícolas”, explica Ryan. “Somos os primeiros a investigar o que está acontecendo dentro das células humanas”.

Enquanto isso, em novembro do ano passado, a Anvisa autorizou o uso do herbicida paraquat por mais três anos no Brasil. O agrotóxico é aplicado no pré-plantio das culturas de grão.

Além disso, há uma proposta na Câmara dos Deputados, em Brasília, que tenta derrubar restrições à aprovação de pesticidas, colocando ainda mais em risco a saúde da população brasileira. Entre os pontos mais absurdos do texto está o que sugere mudar o nome de agrotóxicos para fitossanitários e assim, mascarar impactos negativos dessas substâncias (leia mais sobre o assunto aqui).

Leia também:
Pesticidas provocam declínio assustador de aves na Europa
Especialistas denunciam “mito” sobre pesticidas serem essenciais para alimentar humanidade
Abelhas selvagens estão desaparecendo por causa do uso de pesticidas
Ameaça a polinizadores coloca em risco produção global de alimentos, equilíbrio ambiental e saúde do ser humano

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

2 comentários em “Exposição a pesticidas eleva risco de desenvolvimento de Parkinson, revela estudo

  • 31 de maio de 2018 em 11:50 AM
    Permalink

    Oi Suzana, só gostaria de informar que o nome correto é Doença de Parkinson, assim como Doença de Alzheimer. Se puderem evitem a palavra “Mal”.

    Resposta
    • 1 de junho de 2018 em 7:09 AM
      Permalink

      Beltrina,
      Alterado!
      Abraço,
      Suzana

      Resposta

Deixe uma resposta