Estadia de graça e trabalho voluntário: viajando ao redor do mundo com as mãos na terra

Organic Farms: estadia de graça e trabalho voluntário - viajando ao redor do mundo com as mãos na terra

O desejo de muitos jovens é desbravar o planeta com uma mochila nas costas. Todavia, muitas vezes, sobra idealismo, mas falta dinheiro para realizar o sonho, mesmo em viagens de baixo custo, com estadia em albergues.

Para juntar estes jovens com um modo de vida mais sustentável, foi criado, em 1971, na Inglaterra, o programa de intercâmbio WWOOF, também conhecido como Organic Farms.

A ideia do movimento internacional é conectar viajantes, dispostos a fazer trabalho voluntário, a produtores de alimentos orgânicos do mundo todo.

O intercâmbio funciona da seguinte maneira: primeiramente o interessado em participar do WWOOF escolhe um destino (há fazendas cadastradas em mais de 120 países: Reino Unido, Nigéria, Chile, Brasil, Índia, França, Alemanha…), depois seleciona em uma lista onde deseja fazer o trabalho voluntário e por último, é só fazer as malas.

Os viajantes voluntários trabalham nas fazendas, aprendendo mais sobre o plantio de alimentos orgânicos, criação de animais e a agricultura sustentável. Em troca, ganham a estadia gratuita.

Trabalho voluntário em troca de estadia e conhecimento sobre a agricultura orgânica

No Brasil, há uma lista enorme de produtores membros do WWOOF. Tem fazendas no Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Bahia, Minas Gerais, Goiás e diversos outros estados.

No site do WWOOF Brasil, os interessados encontram informações detalhadas sobre as fazendas que oferecem a acomodação de graça em troca de trabalho voluntário: tipo e tamanho da propriedade, cultivos, línguas faladas pelos anfitriões, acomodação e alimentação oferecidas e descrição da família.

Há fazendas cadastradas em mais de 120 países

Para participar do programa, a única despesa é se associar ao WWOOF do local em que você pretende se hospedar. A taxa é uma anuidade, que varia de preço de país para país, mas em geral, é bem baratinha. Como a entidade é uma organização sem fins-lucrativos, o valor é utilizado para manutenção de sites e outras ferramentas de auxílio aos WWOOFers, como são chamados os hóspedes.

É preciso ter no mínimo 18 anos para ser um WWOFFer. Mas crianças acompanhadas dos pais são aceitas em muitas fazendas.

Produção de alimentos sem o uso de pesticidas

No mundo todo há um crescimento da agricultura orgânica. Nos países europeus, a área de cultivo de alimentos sem o uso de agrotóxicos passou de 5 milhões de hectares em 2002 para 11,1 milhões em 2015. Isso reflete diretamente o aumento da demanda do consumidor, que busca ingredientes mais saudáveis e saborosos, sem resíduos de substâncias químicas, comumente associadas ao aparecimento de doenças, como o câncer.

E aí, interessado em fazer uma viagem diferente nestas férias?

Leia também:
Rede Ecovida: protagonismo dos agricultores na certificação dos orgânicos
Dinamarca investe milhões para dobrar a produção de orgânicos até 2020
Cooperativa de orgânicos cresce no extremo sul de São Paulo
Família só come orgânicos durante duas semanas e resultados surpreendem

Foto: divulgação WWOOF

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Um comentário em “Estadia de graça e trabalho voluntário: viajando ao redor do mundo com as mãos na terra

Deixe uma resposta