Esforços de proteção: tigre siberiano que viveu em cativeiro volta à floresta e agora dá à luz a dois filhotes

filhote de tigre siberiano

Em 2012, uma pequena filhote de tigre, da espécie Amur – também conhecida como tigre siberiano -, foi resgatada na Rússia pela equipe de pesquisadores da organização International Fund for Animal Welfare (IFAW). Durante algum tempo ficou em cativerio, recebendo tratamento e sendo preparada para voltar à natureza novamente.

Um ano depois, em maio de 2013, Zolushka (Cinderela, em russo) foi devolvida à Reserva de Bastak, no leste do país (veja o emocionante vídeo do animal sendo solto na floresta neste link do Youtube, que já teve mais de 8 milhões de visualizações).

Desde então, ela vem sendo monitorada através de um colar com sinais de rádio e satélite pelos pesquisadores. Também foram colocadas na reserva câmeras escondidas para registrar imagens dos tigres e acompanhar sua reabilitação à vida selvagem.

Esta semana, a equipe russa ficou exultante. Imagens feitas pelas câmeras revelaram que Zolushka deu à luz a dois filhotes. Embaixo de uma árvore, em meio à neve, a tigresa siberiana brinca com suas crias. Além de ter aprendido a atrair um macho, a tigresa conseguiu encontrar alimento para si própria e agora para seus filhotes.

“O fato de Zolushka ter acasalado e procriado, dando à luz a dois filhotes saudáveis, é a evidência que ela conseguiu se reabilitar na natureza e desta maneira, ajudar a reconstruir a população de tigres Amur”, afirmou a pesquisadora Maria Vorontsova, da IFAW.

O inverno russo é rigorosíssimo, com temperaturas extremas, o que é uma prova ainda maior da excelente readaptação de Zolushka, principalmente ao ter procriado nestas condições climáticas.

Além da tigresa, outros cinco filhotes foram cuidados pela equipe da organização. Muitos biólogos eram céticos e não acreditavam que animais conseguiriam sobreviver na natureza após terem sido mantidos em cativeiro. Zolushka é a prova viva de que os esforços de conservação são válidos e têm excelentes resultados.

Tigres siberianos da Rússia

A espécie Amur é muito rara. Segundo censo realizado pelo governo russo, com o apoio do WWF International,  estima-se que a população atual seja de cerca de 540 indivíduos soltos na natureza. Cem deles devem ser filhotes.

No passado, o tigre siberiano era encontrado em regiões do leste da Rússia, norte da China e na península coreana. Mas na década de 40, devido à caça ilegal, eles quase foram extintos. Cálculos feitos por biólogos apontavam que eram somente 40 indivíduos restantes. Mas felizmente, o governo russo decidiu proteger o Amur e investiu em trabalhos de proteção. Hoje é neste país que vivem 95% dos animais desta espécie.

O siberiano é o maior felino que existe. Pode atingir até 3,5 metros de comprimento e pesar quase 300 kg. Caçador voraz, é carnívoro. Entre suas presas favoritas estão porcos selvagens e aves.

Assista abaixo as imagens registradas pela IFAW de Zolushka e seus dois filhotes: 

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

2 comentários em “Esforços de proteção: tigre siberiano que viveu em cativeiro volta à floresta e agora dá à luz a dois filhotes

Deixe uma resposta