Engenheiro florestal é novo presidente do Instituto Chico Mendes: grande vitória da mobilização

O nome de Paulo Henrique Marostegan e Carneiro, diretor de Criação e Manejo de Unidades de Conservação (de camisa branca, na foto acima), já circulava pelos corredores do Instituto Chico Mendes para Conservação da Biodiversidade (ICMBio) como o mais indicado para assumir a presidência do órgão, desde a saída do oceanógrafo Ricardo Soavinski, no final de abril. No entanto, o governo Temer logo tratou de interferir nessa nomeação, usando o cargo da autarquia para suas negociações políticas, que beneficiariam a bancada ruralista.

Como contamos aqui, no site, por duas vezes indicou membros do PROS (Partido Republicano da Ordem Social) ao cargo. O primeiro, Moacir Bicalho, é vice-presidente desse partido, mas, por conta de denúncias na Lava Jato e também dos protestos dos servidores ambientais contra essa nomeação, foi tirado do páreo rapidinho. O segundo, Cairo Tavares, secretário nacional de formação política do PROS, chegou a se reunir com diretores da instituição, certo de que assumiria em breve. Mas a onda de protestos se espalhou rapidamente pelas unidades de conservação em todo o país.

Muito organizados e convictos de que essa nomeação colocaria em risco a conservação de muitas áreas – desejadas pelo agronegócio e pela mineração -, eles fecharam parques nacionais (como o Fernando de Noronha, na foto acima) e espalharam fotos de suas mobilizações pelas redes sociais.

E não pararam por aí: criaram um movimento contra retrocessos ambientais e para defender nosso patrimônio natural: o Maré Socioambiental, Movimento Amplo de Resistência ao Desmonte da Política Socioambiental, que será acionado sempre que necessário.

Em seguida, receberam apoio de seis ex-ministros do meio ambiente, que enviaram carta de repúdio à indicação de Tavares para Temer. Mesmo fora do Ministério do Meio Ambiente, Sarney Filho não quis assinar a carta, alegando que isso inviabilizaria suas negociações com o presidente. O governo recuou, mas não se pronunciou a respeito. Veio a greve dos caminhoneiros, a dos petroleiros, a decisão foi suspensa.

Pois bem… na última sexta-feira, 15/6, o Diário Oficial da União publicou nota confirmando a nomeação de Carneiro para a presidência do ICMBio, que registrou a nomeação em seu site. O Ministério do Meio Ambiente também noticiou a posse (foto ao lado, com o ministro e colegas).

Foram dois meses de mobilização que valeram muito e honraram a trajetória do instituto criado em 2007 (a partir do Ibama), e que sempre teve à frente profissionais comprometidos com a conservação da biodiversidade.

Paulo é engenheiro florestal e trabalha no instituto desde sua criação. Ele era do Ibama, mas, com a divisão, passou a integrar a equipe do novo órgão, onde foi Coordenador Geral de Proteção Ambiental, gestor do Parque Nacional de Brasília e Diretor de Criação e Manejo de Unidades de Conservação.

Que vitória! Linda prova de que vale lutar pelo que se acredita. Parabéns a todos os envolvidos nessa luta!

Fotos: Divulgação/ICMBio (destaque) e Ministério do Meio Ambiente

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Deixe uma resposta