Emma Watson doa £1 milhão para fundo que ajuda vítimas de assédio sexual

Emma Watson doa £1 milhão para fundo que ajuda vítimas de assédio sexual

A atriz britânica que se tornou conhecida no mundo inteiro ao interpretar a personagem, Hermione, a jovem e simpática bruxinha de Hogwarts, amiga de Harry Potter, é hoje uma ativista pelo direito à educação das meninas e pela igualdade de gêneros. Além de ser Embaixadora da Boa Vontade da agência ONU Mulheres, ela é um dos rostos da campanha HeForShe, também das Nações Unidas, que defende o empoderamento das mulheres.

Esta semana, Emma Watson doou £1 milhão para uma campanha do UK Justice and Equality Fund. O dinheiro será usado para apoiar projetos e organizações que trabalham para aconselhar, dar suporte legal e advocar em favor de mulheres que sofreram assédio sexual.

A iniciativa da atriz aconteceu na semana em que foi realizada, em Londres, a entrega do prêmio Bafta, uma espécie de Oscar do cinema inglês. Cerca de 200 atrizes britânicas e irlandesas aproveitaram a realização do evento para assinar uma carta em que pedem o fim dos abusos sexuais às mulheres.

A carta, divulgada na seção The Observer, do jornal The Guardian, é intitulada “Sisters, this is our moment to say Time’s Up” – “Irmãs, este é o nosso momento de dizer Agora acabou. O slogan faz parte de uma campanha, lançada nos Estados Unidos, para combater o assédio no ambiente de trabalho.

As atrizes britânicas relembram o movimento global, que começou com denúncias, no ano passado, contra o produtor de cinema Harvey Weinstein, acusado de ter estuprado ou assediado sexualmente mais de 50 mulheres. A partir dele, a hashtag #MeToo viralizou nas redes sociais, quando milhões de mulheres do mundo inteiro perderam o medo e vieram à público contar sobre episódios de abuso e violência.

Mas não é só. As britânicas pedem também o fim da desigualdade dos salários pagos a eles e elas. Um levantamento feito recentemente na Inglaterra revelou que a diferença de salários entre jovens na casa dos 20 anos e seus colegas do sexo masculino é cinco vezes maior hoje do que há seis anos. Nos últimos meses, um grande escândalo estampou os principais jornais do país, quando a rede de televisão BBC foi acusada de pagar salários muito maiores aos homens do que às mulheres.

Além de Emma Watson, Emma Thompson e Keira Knightley são algumas das celebridades que assinaram a carta.

Assim como na festa do Globo de Ouro, em janeiro, todas as atrizes que compareceram ao Bafta vestiram preto e muitas foram acompanhadas de ativistas.

Emma Watson ao lado de outras atrizes, todas de preto, na entrega do Globo de Ouro

“Chega de assédio sexual, bullying, abuso, falta de representividade e desigualdades. Este é um movimento global, de mulheres e homens unidos, porque sabemos que é algo que acontece em todos os lugares”, disse Emma, em vídeo postado no Facebook (assista abaixo).

 

Leia também:
“Feminismo é dar escolhas, liberdade e igualdade para as mulheres”, diz Emma Watson, ao rebater críticas sobre foto sensual
Emma Watson é fada dos livros (feministas) no metrô de Londres

#MexeuComUmaMexeuComTodas reúne artistas e internautas contra assédio sexual
Por que precisamos ter um “Dia Internacional das Meninas?”
#ViajoSozinha: pelo fim da violência, discriminação e desrespeito às mulheres
O que você quer no Dia Internacional da Mulher?


Foto: reprodução Facebook Emma Watson/
Peter Lindbergh (foto da abertura)

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta