Emissões globais crescem 1,4%, após três anos de estagnação

emissoes globais

Agora é oficial: as emissões de gases carbono da humanidade voltaram a subir em 2017, após três anos sem crescer e esperanças de que tivessem atingido seu pico. A IEA (Agência Internacional de Energia) confirmou na semana passada que o mundo jogou 1,4% mais carbono no ar no ano passado do que em 2016. Portanto, pode tirar o sorrisinho do rosto e arregaçar as mangas – tá tendo aquecimento global, e vai dar trabalho detê-lo.

O dado divulgado pela IEA confirma uma previsão apresentada no fim do ano passado pelo Global Carbon Project, um consórcio internacional de cientistas. Eles estimavam que a situação fosse ser um pouco pior, 2% de aumento. Ambas as organizações, porém, atribuem a subida à mesma causa: um aumento recorde no uso de energia, de 2,1% no ano passado, na esteira de um forte aquecimento da economia global. Mais de 70% desse crescimento na demanda por energia foi atendido por combustíveis fósseis.

Os dados divulgados pela IEA mostram que os rumores sobre a morte próxima do petróleo foram exagerados: a demanda pelo combustível fóssil cresceu 1,6%, mais do que o dobro da média anual verificada ao longo da última década.

O nome disso é China. O gigante asiático, é verdade, está desligando várias usinas termelétricas a carvão, mas aumentou seu uso de petróleo, na esteira de um pacote de estímulo econômico baixado pelo agora ditador supremo vitalício Xi Jinping. O consumo de óleo no setor de transportes subiu também em várias grandes economias, graças ao aumento da parcela de SUVs e caminhões na frota.

A China também respondeu por um terço do crescimento na demanda global por gás natural, que subiu 3%. Até o moribundo carvão viu sua demanda crescer, em 1% por conta de novas usinas termelétricas em outros lugares da Ásia.

E repare que os números recém-divulgados dizem respeito a apenas um gás-estufa, o dióxido de carbono (CO2) e um setor econômico, o de energia. No setor de uso da terra, que inclui emissões por agropecuária e desmatamento, a tendência à estagnação nunca se verificou.

A mensagem geral é clara: não dá para confiar apenas nas forças de mercado para colocar o planeta no rumo de cumprir o acordo do clima de Paris, segundo o qual a temperatura global precisa ser estabilizada em menos de 2oC neste século. Para termos uma chance maior que 66% de atingir a meta, seria necessário ter atingido o pico de emissões e reduzi-las em pelo menos 5% ao ano, de acordo com a maioria dos modelos analisados pelo IPCC.

Por outro lado, há sinais positivos no horizonte: países como México, Japão, Reino Unido e Estados Unidos – sim, o país do carbonizante Donald Trump – viram suas emissões caírem, e as renováveis tiveram mais uma expansão recorde: 6,3% em um único ano. Do cabo de guerra entre essas duas tendências dependerá o futuro do acordo do clima.

*Texto publicado originalmente em 22/03/2018 no site do Observatório do Clima

Foto: domínio público/pixabay

Deixe uma resposta