Embaixada do Brasil em Londres é alvo de protestos contra política ambiental do governo

Embaixada do Brasil em Londres é alvo de protestos contra política ambiental do governo

Manifestantes do movimento Extinction Rebellion fizeram uma manifestação na entrada da Embaixada do Brasil, hoje (13/08), em Londres, contra a política ambiental do governo do presidente Jair Bolsonaro.

Os ativistas, que ao longo dos últimos meses têm tomado as ruas do Reino Unido em protestos pela inação de governos para combater as mudanças climáticas, picharam a fachada da embaixada brasileira com tinta vermelha. Entre as frases pintadas na parede do prédio estavam “Sem mais sangue indígena”.

Além disso, os manifestantes usaram cola e cadeados de bicicleta para ficarem “grudados” à entrada do edifício.

Vários ativistas foram presos pela polícia da capital inglesa por causa do vandalismo ao prédio da embaixada. Mesmo assim, eles informaram em sua página que manifestações semelhantes serão realizadas em representações consulares do Brasil em outros países – Chile, Portugal, França, Suíça e Espanha.  

O movimento afirma que o protesto se dá no mesmo momento em que ocorre uma marcha de milhares de mulheres indígenas em Brasília (leia mais aqui). Além disso, os manifestantes britânicos destacam que terras indígenas no Brasil estão sendo invadidas e “seu povo morto por garimpeiros armados e violentos”.

O Extinction Rebellion chama atenção ainda para o aumento do desmatamento na Amazônia. “Os cientistas alertam que a maior floresta tropical do mundo está se aproximando do “ponto de inflexão” climático de transformar-se irreversivelmente em savana”.

“O objetivo do protesto é desafiar as pessoas a perguntarem: Quando o Estado brasileiro consente que garimpeiros e madeireiros matem pessoas, queimem florestas, levem espécies à extinção, destruam casas e ponham em risco o nosso futuro, quem está causando o dano real aqui? Quem é o criminoso?”, questiona Iggy Fox, um biólogo marinho que participou das manifestações contra o governo brasileiro.

“Precisamos que todos saibam o que está acontecendo no Brasil. Se fecharmos os olhos para a destruição criminal, nossos filhos pagarão o preço. A crise climática é global”, afirma Sian Vaughan, professor aposentado que também fez parte dos protestos.

Os protestos internacionais contra as (equivocadas) decisões do governo Bolsonaro em relação ao meio ambiente só aumentam. No final de semana, a Alemanha anunciou a suspenção de financiamento de R$ 155 milhões a projetos de preservação na Amazônia. “A atual política do governo brasileiro para a Amazônia levanta dúvidas se a redução consistente das taxas de desmatamento ainda está sendo buscada”, afirmou Svenja Schulze, ministra alemã do Meio Ambiente, ao jornal Tagesspiegel.

Em junho, uma rede de supermercados sueca boicotou produtos brasileiros por causa de excesso de agrotóxicos.

Parece ser só o começo…

Leia também:
Desmatamento na Amazônia sobe 50% em 2019 e explode em julho, indicam alertas do Inpe
86% dos brasileiros não quer mineração em terras indígenas, defendida por Bolsonaro
Brasil aparece em 4o lugar em ranking de países com mais assassinatos a ambientalistas, ativistas e indígenas
Bolsonaro questiona assassinato do cacique Wajãpi por garimpeiros e diz que apoia garimpo em terras indígenas
Povos indígenas vão pressionar países europeus para que boicotem commodities produzidas em terras invadidas, diz Sonia Guajajara

Foto: divulgação Extinction Rebellion

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta