Em segunda derrota, Monsanto é condenada a pagar U$ 80 milhões a mais uma vítima de câncer

Em segunda derrota, Monsanto é condenada a pagar U$ 80 milhões a mais uma vítima de câncer

Mais uma decisão histórica. Dessa vez na Corte Federal dos Estados Unidos, instância mais alta da justiça daquele país. Ontem (27/03), depois de semanas de julgamento, a gigante multinacional fabricante de agrotóxicos, Monsanto (comprada pela alemã Bayer, no ano passado) foi condenada a indenizar em U$ 80 milhões Edwin Hardeman, de 70 anos, diagnosticado com um linfoma não-Hodgkin, câncer que afeta o sistema imune.

Durante 30 anos, Hardeman usou o herbicida Roundup no jardim de sua casa. O pesticida, fabricado pela Monsanto é o mais vendido do mundo inteiro. O americano aplicava a substância para tentar matar ervas daninhas e fungos nas árvores. Contou que, por algumas vezes, sua pele entrou em contato com o produto.

O americano é a primeira pessoa que consegue levar a empresa para a Corte Federal. Em 2018, o jardineiro DeWayne Johnson ganhou outra ação contra a companhia, mas havia sido numa corte da Califórnia. Ele também desenvolveu um linfoma não-Hodgkin, depois de trabalhar anos pulverizando o Roundup em jardins de escolas locais. Com lesões em mais de 80% do corpo, ele foi desenganado pelos médicos, que afirmaram que o câncer está em fase terminal.

Em agosto de ano passado, a justiça californiana decidiu que a Monsanto teria de pagar a ele uma indenização de US$289 milhões.

DeWayne Johnson, com os filhos, têm um câncer terminal
por causa de anos de uso do herbicida da Monsanto

Milhares de outros casos aguardam julgamento

A decisão do júri dessa semana, em São Francisco, se torna um marco, já que o julgamento era considerado um “teste” para futuros processos contra a Monsanto/Bayer. Estima-se que existam mais de 9 mil outros casos similares, de pacientes com câncer, na fila da justiça.

Segundo o veridito, unânime, a Monsanto foi responsabilizada pelo câncer de Hardeman, já que não há dúvida sobre os malefícios do herbicida. Além disso, afirmou que o produto não tinha alertas suficientes sobre o câncer e que a empresa foi negligente ao não advertir seus consumidores sobre o risco.

“Como demonstrado durante o julgamento, desde o início do lançamento do Roundup, há mais de 40 anos, a Monsanto se recusa a agir com responsabilidade”, disseram os advogados de Hardeman, em um comunicado. “É claro pelas ações da companhia que ela não se importa se o agrotóxico causa câncer, mas foca apenas em manipular a opinião pública e minar quem levanta preocupações genuínas e legítimas sobre o Roundup.”

O Roundup tem como ingrediente principal o glifosato, que segundo relatório publicado em 2015, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), pode provocar câncer em animais tratados em laboratório e é um potencial causador de alterações na estrutura do DNA e cromossomos das células humanas.

“O herbicida penetra nas células da pele, depois nos tecidos, no sistema linfático e no sangue”, explicou ao júri, um médico, testemunha de defesa de Hardeman.

A Monsanto sempre negou as acusações de que o produto seria cancerígeno, apesar de estudos apontarem tal fato. O glifosato é vendido tanto para uso caseiro, como para aplicação em grandes lavouras. Por isso mesmo, hoje sua contaminação cruzada pode ser encontrada praticamente em todos os alimentos que consumimos, e até, em bebidas (leia aqui pesquisa realizada recentemente com vinhos e cervejas).

Leia também:
Vestígios de agrotóxico são encontrados em alimentos infantis nos Estados Unidos
A cada 24 horas um agrotóxico – ou mais – é liberado para venda no Brasil
Governo aprova uso de agrotóxico extremamente tóxico
Especialistas denunciam “mito” sobre pesticidas serem essenciais para alimentar humanidade
Farra dos agrotóxicos: teste revela que 60% dos alimentos está envenenado
Em ensaio e documentário, fotógrafo argentino revela ‘o custo humano dos agrotóxicos’

Fotos: domínio público/pixabay (abertura) e demais reprodução Facebook e Mike Mozart/Flickr (RoundUp)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta