Em apenas três semanas, morrem 23 dos últimos 520 leões asiáticos do planeta


Em apenas três semanas, morrem 23 dos últimos 520 leões asiáticos do planeta

Um vírus canino fatal está dizimando os leões do Parque Nacional de Gir, na Índia. Dos pouco mais de 500 animais que habitam o local, 23 foram encontrados mortos nos últimos 20 dias e outros 33 estão isolados e passarão por testes. Segundo veterinários, a causa da mortandade é a mesma que tirou a vida de 1 mil leões no parque Serengeti, na África, na década de 90, o vírus canine distemper (CDV).

Segundo especialistas, o vírus é altamente contagioso e se prolifera de maneira muito fácil dos cachorros selvagens para outros animais.

No santuário do parque indiano estão alguns dos últimos indivíduos da espécie Panthera leo persica. O leão asiático é um pouco maior do que o africano. Vive, em média, entre 16 e 18 anos, e pode pesar até 190 kg.

Como outros animais selvagens, os leões asiáticos tiveram uma redução enorme de suas populações devido ao desmatamento de seus habitats e à caça. Três grandes estradas passam ao longo do parque de Gir.

Para tentar evitar um desastre ainda maior, os Estados Unidos enviaram para a Índia 300 doses de uma vacina contra o CDV.

No passado, os leões asiáticos eram encontrados em áreas desde a Turquia, passando pela Ásia, até a Índia. Mas a caça esportiva praticamente os levou à extinção. Por atualmente serem poucos em números e dividirem suas terras com o ser humano, eles são mais vulneráveis à doenças.

Leia também:
Leão, o mais social de todos os felinos, ameaçado de extinção
Vídeo mostra imagens brutais da caça a uma onça-parda em Santa Catarina

Foto de americana com girafa morta como troféu de caça provoca revolta nas redes sociais


Foto: Rupal Vaidya from Ahmedabad, India/Wikimedia

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta