Em apenas três meses, Austrália tem redução de 80% no uso de sacolas plásticas

Em apenas três meses, Austrália tem redução de 80% do uso de sacolas plásticas

Três meses. Somente 90 dias. Bastou esse curto espaço de tempo para que os australianos percebessem uma redução de 80% na utilização e descarte de sacolas plásticas. E qual foi o milagre para produzir tão rápida diminuição na produção desse lixo? Simples! Duas das maiores redes de supermercado do país deixaram de oferecer sacolas plásticas gratuitamente.

A indústria varejista anunciou que algo em torno de 1,5 bilhão de sacolas deixaram de ser distribuídas desde julho. “Algumas lojas e supermercados afirmam que a redução chegou a 90%”, a National Retail Association divulgou em nota.

A iniciativa das duas cadeias de supermercado coincidiu com a mesma proibição imposta pelo governo de Queensland, o segundo maior estado da Austrália.

“A decisão de alguns varejistas de não oferecer mais sacolas plásticas de uso único certamente recebeu uma resposta hostil de alguns consumidores inicialmente, mas esses varejistas merecem crédito por reduzir drasticamente o número de sacolas em circulação ”, afirmou David Stout, executivo da associação nacional do varejo. “A grande maioria dos clientes utiliza agora suas próprias sacolas”.

O dinheiro arrecadado com a venda das sacolas, para aquelas pessoas que ainda não conseguiram mudar seus hábitos, é revertido para instituições de caridade. O custo da similar reutilizável é de aproximadamente US$ 0,11.

No mundo inteiro, 32 países já proibiram ou taxaram a distribuição de sacolas plásticas.


Fonte: ReuseThisBag

Aqui, no Conexão Planeta, mostramos outros dois exemplos de como é grande o impacto no meio ambiente quando se tomam medidas como a realizada pelos australianos. Em apenas um ano, Israel reduziu pela metade o descarte de sacolas plásticas em seu litoral e no Reino Unido, o resultado apareceu ainda mais cedo: em apenas seis meses, ingleses deixam de usar 6 bilhões de sacolas plásticas.

E a pergunta que não quer calar: e no Brasil, quando?! O Chile já fez história na América Latina. 

Leia também:
Nova Zelândia anuncia fim das sacolas plásticas a partir de 2019
Comerciantes do Rio de Janeiro serão obrigados a substituir sacolas plásticas descartáveis por biodegradáveis
Mumbai proíbe uso de sacolas e garrafas plásticas
Supermercado mineiro dá exemplo e há seis anos só usa sacolas reutilizáveis
Quênia proíbe produção, venda e uso de sacolas plásticas com pena de multa e até prisão


Foto: divulgação Australian National Retail Association

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Um comentário em “Em apenas três meses, Austrália tem redução de 80% no uso de sacolas plásticas

  • 5 de dezembro de 2018 em 1:59 PM
    Permalink

    A avassaladora tsunami de material plástico no Planeta, parece, tem tudo a ver com os Quatro Cavaleiros do Apocalipse: Peste, Guerra, Fome e Morte, simbolicamente descritos na visão profética do apóstolo João que, embora desconhecendo, na época, os componentes mortíferos e diabólicos dessa invenção moderna, o plástico, bem poderia intuitivamente inseri-lo na causa das quatro desgraças que atingem humanos e animais, por conta da incúria e imprevidência humanas, porque baleias, golfinhos e tartarugas com FOME, MORREM por causa da PESTE que civilizados fomentaram nessa GUERRA contra a Natureza e o Meio Ambiente, construindo o inferno da poluição e degradação ambientais, insensatos e loucos que são e não se importam em ser, por isso muito longe estão de habitar o paraíso e, quem sabe, por causa disso mesmo é que foram, em nome da Justiça, um dia, expulsos dele.

    Resposta

Deixe uma resposta