Educação para a sustentabilidade: vamos incentivar essa prática nas escolas?

educação para a sustentabilidade

A terra é uma complexa rede de inter-relações entre os seres vivos. A biosfera, morada da rica biodiversidade, está ameaçada pelo significativo aumento da poluição ambiental nas grandes cidades e do desmatamento e queimadas das florestas, fazendo das mudanças climáticas uma realidade cada vez mais presente.

Criar uma cultura de sustentabilidade local e incentivar a liderança socioambiental dos alunos é o propósito do projeto EcoAtivos, que leva formações presenciais e online para escolas públicas de diferentes regiões do país. Com base na Educação para a Sustentabilidade, o projeto trabalha para ampliar a consciência e o conhecimento de professores, gestores e comunidade escolar para hábitos e atitudes saudáveis.

EcoAtivos surge da participação do Criança e Consumo, do Alana, no edital do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), ligado ao Programa de Estilos de Vida e Educação Sustentáveis, cujo objetivo é de fortalecer a comunidade escolar para o despertar de uma nova cultura de sustentabilidade local. O projeto realiza esta missão de capacitar os educadores em Belém/PA, Brasília/DF, Canoas/RS, Novo Hamburgo/RS, Porto Alegre/RS, Salvador/BA e São Paulo/SP.

Para atingir tal objetivo, o EcoAtivos tem como estratégia ampliar o conhecimento sobre a relação entre consumo, meio ambiente e mudanças climáticas, por meio de formações presenciais e online. Serão 2 mil professores e 500 coordenadores pedagógicos, de 500 escolas públicas de Ensino Fundamental I, nas sete cidades envolvidas.

As formações serão apoiadas por um kit de material pedagógico para cada professor e livros dos programas do Alana, para as bibliotecas das escolas. Todos os conteúdos do EcoAtivos têm base em documentos internacionais como a Carta da Terra e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em sintonia com a Base Nacional Comum Curricular e com as políticas públicas brasileiras ligadas a sustentabilidade.

No 1º semestre de 2018 serão realizadas as formações presenciais e on-line, embasando a alfabetização ecológica, a compreensão dos desafios socioambientais atuais e o papel da educação ambiental das escolas, integradas ao território e engajando a comunidade local. A sensibilização dos professores frente a estes temas é fundamental, para que os projetos realizados nas escolas promovam a mudança de hábitos saudáveis e sustentáveis, com base na metodologia da “Flor da Cultura da Sustentabilidade”, inspirada nos princípios da Permacultura.

A proteção da vitalidade, da diversidade e da beleza da terra são um dever planetário. Transformar estilos de vida atuais e futuros, incentivando crianças a se tornarem agentes de transformação, surge como benefício direto do EcoAtivos, que também impacta na vida e na prática dos professores, apoiando-os com metodologias e oportunidades de disseminação de boas práticas.

Foto: Carine Felgueiras/Creative Commons/Flickr

Leila Vendrametto é geógrafa e comunicadora social, especialista em Ecologia, Arte e Sustentabilidade. Atuou como Coordenadora de Educação Ambiental na Secretaria do Verde e Meio Ambiente e atualmente é educadora ambiental no EcoAtivos. Mônica Borba é pedagoga, especialista em Educação e Gestão Ambiental e Agricultura Biodinâmica. Fundou o Instituto 5 Elementos em 1993, dirigiu a UMAPAZ – Universidade Meio Ambiente e Cultua de Paz de SP e atualmente é coordenadora geral e pedagógica do EcoAtivos no Alana.

Leila Vendrametto e Monica Borba

Leila Vendrametto é geógrafa e comunicadora social, especialista em Ecologia, Arte e Sustentabilidade. Atuou como Coordenadora de Educação Ambiental na Secretaria do Verde e Meio Ambiente e atualmente é educadora ambiental no EcoAtivos. Mônica Borba é pedagoga, especialista em Educação e Gestão Ambiental e Agricultura Biodinâmica. Fundou o Instituto 5 Elementos em 1993, dirigiu a UMAPAZ – Universidade Meio Ambiente e Cultua de Paz de SP e atualmente é coordenadora geral e pedagógica do EcoAtivos no Alana.

Deixe uma resposta