Domingo é dia de moda, economia solidária e botânica, em São Paulo

Domingo é dia de moda, economia solidária e botânica, em São Paulo

A relação entre moda e economia solidária é uma construção que faz cada vez mais sentido no mundo em que vivemos. É a busca por uma moda mais justa, calcada em cadeias produtivas focadas na sustentabilidade, no comércio justo, na inclusão, se distanciando de processos de trabalho exploratórios.

Já escrevi sobre esse tema aqui no Conexão Planeta, e volto a ele porque na tarde do próximo domingo (23/09), em São Paulo, o Galpão Jardim Secreto, localizado bem no centro da cidade, promove uma roda de diálogo bem rica sobre o tema, boa oportunidade para quem quer conhecer melhor essas relações.

A rede Design Possível, sobre a qual também já escrevi aqui, abriu esse mundo para os meus olhos, com um trabalho consistente e apaixonante com grupos produtivos de economia solidária, formados por mulheres, moradoras das periferias da cidade.

São mulheres que vivem uma jornada de autoconhecimento, se redescobrem potentes e produtivas e se unem, nos mais diversos arranjos, para tocar suas máquinas. A costura é o que as conecta em um primeiro momento. Mas as histórias de vida, as trajetórias e a perseverança são também parte dessa tessitura.

Júlia Asche, integrante da Design Possível, que faz muitas vezes a ponte entre marcas e grupos produtivos de economia solidária, é uma das pessoas que participará dessa roda de conversa no domingo.

“A ideia é a gente contar para o público do Jardim Secreto, formado por várias marcas e produtores, e também para os consumidores, mais sobre os produtores, entender como essa produção é feita, como essa relação acontece no dia a dia”, diz ela.

Duas marcas que já trabalham com economia solidária – Jouer Couture e Somos 55 – estarão presentes, contando um pouco de como se dá essa inclusão em sua cadeia produtiva, quais são os desafios e as conquistas dessa relação. Grupos apoiados pela rede Design Possível, como Pano pra Manga, Cardume de Mães, Retrós Vest e Conquistart trabalham com essas marcas.  

“Também vamos falar um pouco sobre futuro, sobre o que essas experiências já vividas mostram como tendências e possibilidades”, diz Julia. Participarão ainda da roda de conversa o movimento Fashion Revolution Brasil.

Tarde maravilha

Além do tema, a experiência de conhecer o Galpão Jardim Secreto também valerá muito o domingo. Localizado na rua Major Sertório, próximo à estação República do metrô, o Galpão reúne diversas pequenas marcas, incluindo moda, acessórios, alimentação, além de um estande com delícias de chás, alimentos naturais e outras bossas. É um espaço para conhecer os próprios produtores e seus processos.

No mesmo local acontecerá, também no dia 22, uma feira de botânica, que reunirá diversos expositores conectados por esse segmento, que oferecem produtos e serviços, prints, vasos, quadros, flash tatoo e muito verde.

E ao lado do Galpão fica o Instituto Feira Livre, onde você pode comprar verduras, legumes e outras comidinhas orgânicas para começar a semana, além de conhecer um pouco mais das histórias das pessoas que produziram esses itens.

Foto: Maria Tangerina (uma das marcas presentes no Galpão e que também trabalha com grupos de economia solidária)

Mônica Ribeiro

Jornalista e mestre em Antropologia. Coordenou a Comunicação da Secretaria do Verde da Prefeitura de São Paulo – quando criou as campanhas ‘Eu Não Sou de Plástico’ e, em parceria com a SVB, a ‘Segunda Sem Carne’. Colabora com a revista Página 22, da FGV-SP e com a Plataforma Parceiros Pela Amazônia, e atua nas áreas de meio ambiente, investimento social privado, economia solidária e negócios de impacto, linkando projetos e pessoas na comunicação para um mundo melhor

Deixe uma resposta