Dezenas de animais selvagens morrem com calor extremo na Austrália

Dezenas de animais selvagens morrem com calor extremo na Austrália

As imagens são realmente chocantes. Dezenas de cavalos selvagens sem vida. Eles foram encontrados próximo a um córrego, completamente seco, na região de Alice Springs, perto da cidade de Santa Tereza, ao norte da Austrália. A falta de água matou todos os animais. Outros tantos, que sobreviveram, foram sacrificados, porque estavam sofrendo demais.

A Austrália enfrenta uma onda de calor sem precedentes. Apesar de já ter sofrido com outras similares anteriormente – 2018 foi o terceiro ano seguido mais quente da história do país, com uma queda de 11% na ocorrência de chuvas – agora em 2019, os termômetros têm registrado temperaturas inacreditáveis.

Esta semana, os moradores de Melbourne encararam 44oC (às 8h da manhã, os termômetros já batiam os 35oC). Sidney também presenciou um recorde, com 47oC. A última vez que a cidade teve um calor assim foi há 80 anos.

A localidade de Alice Springs, onde os cavalos foram achados, tem quatorze dias seguidos com temperaturas na média de 42oC.

Nas semanas passadas, imagens de milhares e milhares de peixes mortos ganharam as manchetes mundiais. O calor extremo e o baixo nível dos rios deixaram a água sem oxigênio, provocando a mortandade em massa. Burros e camelos também têm sido encontrados agonizando.

Outra espécie que não suportou o calor muito além do normal foram os morcegos. No último final de semana, ao sul de Queensland, mais de 100 mil deles teriam morrido, segundo a Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals. Biólogos afirmam que o cérebro desses mamíferos simplesmente não resiste ao calor.

Centenas de morcegos encontrados sem vida

Animal completamente desidratado por causa do calor extremo

Além da morte dos animais, incêndios florestais se espalham pela Austrália, fechando parques e estradas. As autoridades recomendam que a população fique dentro de casa e faça o mínimo possível de esforço físico.

Bombeiros e guardas florestais tentam controlar as labaredas

Ontem (24/01), com exceção de Graskop, na África do Sul, com 49,2oC, as 60 cidades mais quentes do planeta estavam localizadas na Austrália.

O mapa meteorológico mundial mostra o calor que assola a Austrália

E o que está causando isso tudo? Com a palavra, os membros da comunidade de Alice Springs.

As mudanças climáticas estão trazendo mais ondas de calor e menos água. Esta trágica ocorrência está prevista para acontecer com mais frequência, e atualmente, as comunidades não estão preparadas para lidar com isso.

Um mapeamento aéreo realizado há aproximadamente dez anos revelou que havia quase 250 mil cavalos selvagens e um grande número de camelos e burros, perambulando pela Austrália Central. A maioria deles se refugia em buracos de água durante o tempo quente.

Os moradores de Santa Teresa valorizam culturalmente os animais selvagens e, devido a isso, a falta de água e o clima quente intenso levaram a uma situação complicada, na qual não existe uma bala mágica para resolvê-la”.

Alguém duvida ainda de que o aquecimento global é real?

Fotos: reprodução Facebook Alice Springs Community Forum/ Ralph Turner (cavalos mortos) e Facebook/Help Save the Wildlife and Bushlands in Campbelltown (morcegos)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta