Desmatamento na Amazônia dispara e aumenta mais de 400% em novembro

Desmatamento na Amazônia dispara e aumenta mais de 400% em novembro

No mesmo dia em que a nova ministra da Agricultura, Tereza Cristina, assumia o cargo e afirmava que o Brasil era “… o país que mais soube preservar suas florestas nativas e matas ciliares … e é um modelo a ser seguido, jamais transgressor a ser recriminado”, o Instituto Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgou um levantamento em que revela que o desmatamento na Floresta Amazônia deu um salto alarmante.

Em novembro de 2018, ele foi 406% maior do que o mesmo mês de 2017. Foram detectados 287 km2 de desmatamento na Amazônia Legal, área que compreende nove estados brasileiros e corresponde a quase 60% do território nacional.

Os principais responsáveis pela destruição de vegetação foram os estados do Pará (63%), Amazonas (12%), Rondônia (9%), Mato Grosso (7%), Roraima (5%) e Acre (4%).

Segundo o boletim mensal do Imazon (SAD), a maioria (53%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse. O restante do desmatamento foi registrado em assentamentos (37%), terras indígenas (5%) e Unidades de Conservação (4%).

Vale prestar atenção nesses números acima. Notar que mais da metade da destruição da floresta ocorreu em terras particulares e apenas, uma pequena parte em áreas indígenas. Ou seja, agora, com a nova medida do governo do presidente Jair Bolsonaro, que transferiu da Fundação Nacional do Índio (Funai) para o Ministério da Agricultura, a atribuição de identificar, demarcar e limitar terras indígenas essa porcentagem deve mudar. Todos sabem que os indígenas são protetores da floresta, por isso mesmo, há pouca devastação onde eles estão presentes.

Nos bastidores, há rumores, inclusive, que o novo governo pretende liberar a exploração agropecuária nas terras indígenas. Vai ser mais uma bandeira verde para que a bancada ruralista siga em frente com a devastação da mata.

Ontem (02/01), os mais importantes jornais do mundo ressaltaram, em suas manchetes, a decisão de Bolsonaro de dar mais poder ao Ministério da Agricultura e enfraquecer os órgãos de proteção ambiental, colocando em risco a preservação da maior floresta tropical do planeta, a Amazônica.

O discurso de Tereza Cristina fala de uma realidade distante. O Brasil foi sim, exemplo de conservação e conseguiu reduzir os índices de desmatamento da Amazônia, mas já faz algum tempo, a destruição da floresta voltou a crescer.

O desmatamento na região é o pior em dez anos: 1,18 bilhão de árvores foram derrubadas em um ano. De acordo com números divulgados recentemente pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe)*, responsável pelo monitoramento oficial da Amazônia, de agosto de 2017 a julho de 2018, foram destruídos quase 8 mil km² de vegetação. Essa área é equivalente a 987.500 mil campos de futebol ou 5,2 cidades de São Paulo.

Ministra da Agricultura, é preciso revisar seu discurso. Infelizmente, o Brasil deixou de ser modelo de preservação… E com os planos anunciados de uma “política focada nos interesses comerciais do Brasil”, difícil acreditar que o país voltará a servir de exemplo nessa área.

*Os alertas de desmatamento e degradação florestal realizados pelo Imazon são gerados pela plataforma Google Earth Engine (EE), com a utilização de imagens de satélites e mapas digitais. Todavia, os índices de deflorestamento da Amazônia publicados pelo instituto não são oficiais. O governo só leva em conta os dados elaborados pelo Inpe, que frequentemente apresenta números diferentes aos do Imazon. A discrepância nos resultados se dá ao uso de metodologias distintas de avaliação

Foto: Neil Palmer/CIAT/Creative Commons/Flickr

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

3 comentários em “Desmatamento na Amazônia dispara e aumenta mais de 400% em novembro

  • 3 de janeiro de 2019 em 7:45 PM
    Permalink

    Seria muito bom que o Brasil fosse modelo de alguma coisa boa para o mundo aprender, mas não é o que a gente está vendo e olha que a gente faz de tudo para ver alguma coisa até mesmo onde não existe coisa nenhuma. Isto porque brasileiro é um espécime turrão, não larga da esperança nem que a vaca tussa, mas a coitada foi pro brejo e não voltou, quem sabe o que houve com ela nesses barrancos que Deus me livre? Tentamos crer que a coisa vai melhorar, e não arredamos pé da ideia de sermos de verdade o país maravilhoso do Hino Nacional que a gente cantava quase chorando mas hoje, cala-te boca, porque pior é quase impossível. Pelo menos, verdade seja dita, graúdos do colarinho branco estão presos, quem sabe isso é um modelo para o mundo? Quem sabe retornam para o nosso povo sofrido aqueles milhões tirados dele, para que ele não morra antes da hora, deitado no chão de um Hospital que não funciona, à espera de um médico que “não tem”? Quem sabe, o brasileirinho protegido ainda no ventre de sua mãe, possa nascer logo, logo, sem medo de ser feliz, e sem dar de cara no chão porque não tinha enfermeira disponível pra segurar ele? Quem sabe ele consiga crescer com saúde e fazer seu papel de “gente boa” no mundo mau de lobos correndo atrás das chapeuzinhos cansadas de fugir deles? Não queremos ser o modelo às avessas, da corrupção, dos subterfúgios, da ficha suja, das maracutaias, das malas de dinheiro e da falta dele na mesa do pobre. Brasileiros levam fé mesmo que o Brasil consegue ser melhor das pernas, se pedaladas fiscais não derrubarem ele de novo e se não continuar dormindo em berço esplêndido enquanto barbarizam com ele, enquanto ele sonha. Brasileiros acreditam, graças a Deus, que o brado retumbante não se calou, de um povo heroico que não teme a própria morte porque não desertou da pátria amada. Quem sabe a coragem de cada brasileiro seja o modelo para o mundo, porque continuamos morando no Brasil, não fugimos dele, amando-o de todo coração, nossa terra adorada, entre outras mil. Porque ainda acreditamos que nossos risonhos e lindos campos terão mais flores e nossos bosques terão mais vida, a nossa vida. Continuamos sendo brasileiros, cada qual no seu pedaço da bandeira verde/amarela, sem abrir mão de tudo o que ela representa para ser o modelo de alguma coisa boa para o mundo aprender com ela.

    Resposta
  • 16 de abril de 2019 em 1:52 PM
    Permalink

    A autora do texto mora em Washigton nos USA e quer atribuir ao atual governo recordes de desmatamento no período de governos anteriores????
    Quer comentar coisas que ela não vivencia?

    Resposta
    • 21 de abril de 2019 em 10:00 PM
      Permalink

      João,
      Obrigada pela mensagem.
      Em momento nenhum eu “culpo” o atual governo pelo aumento do desmatamento. Você poderia, por favor, indicar em que parte do texto faço sim? O crescimento da destruição da Floresta Amazônica vem ocorrendo ao longo da última década.
      Sim, moro nos Estados Unidos atualmente, mas tenho acesso a fontes confiáveis e respeitáveis do Brasil, no caso da matéria, o Imazon, que forneceu os números. Por isso mesmo, posso escrever, com idoneidade sobre o assunto, não “comentar”.
      Abraço,
      Suzana

      Resposta

Deixe uma resposta