Depois de salvar sua espécie da extinção em Galápagos, Diego irá se aposentar

Depois de salvar sua espécie da extinção em Galápagos, Diego irá se aposentar

A extinção parecia inevitável para as tartarugas gigantes da ilha Española, no arquipélago de Galápagos, na costa do Equador. Na década de 60, restavam apenas 15 indivíduos da espécie Chelonoidis hoodensis, a maioria delas, fêmeas.

Começou-se então um grande esforço de conservação, feito pela equipe do Parque Nacional de Galápagos e a organização Galapagos Conservancy. Um programa de reprodução em cativeiro foi colocado em prática e machos da espécie, os poucos existentes em zoológicos de diversos países, foram “recrutados” para ajudar na tarefa de salvar essa tartaruga gigante da extinção.

Uma das grandes “estrelas” desse programa de reprodução foi Diego. O macho, que vivia no zoológico de San Diego, na Califórnia, há 30 anos, ficou famoso por ser um reprodutor de sucesso.

Agora, depois de décadas de trabalho, foi anunciado o término do programa.

“Com base nos resultados do último censo, realizado no final de 2019, e em todos os dados disponíveis desde 1960, tanto na ilha quanto na população de tartarugas, desenvolvemos modelos matemáticos com diferentes cenários possíveis para os próximos 100 anos, a conclusão foi que a ilha tem condições suficientes para manter a população de tartarugas que continuará a crescer normalmente, mesmo sem qualquer novo repatriamento de filhotes ”, disse Washington Tapia, diretor da iniciativa.

O último levantamento revelou que a população atual da Chelonoidis hoodensis é de 2 mil tartarugas.

Depois de salvar sua espécie da extinção em Galápagos, Diego irá se aposentar

Filhote sendo pesado pelo biólogos do programa

O merecido descanso

Diego, que beira os 100 anos de idade, é um dos principais responsáveis pela conquista do programa de reprodução em cativeiro. Biólogos acreditam que 40% dos filhotes gerados são seus, cerca de 800 tartaruguinhas.

Em breve, Diego ganhará o devido descanso. Irá se aposentar da função de reprodutor e ser solto na natureza, de volta ao seu lugar de origem, a ilha Española.

Depois de salvar sua espécie da extinção em Galápagos, Diego irá se aposentar

Biólogos estimam que Diego possa viver ainda mais 20 anos

As tartarugas gigantes de Galápagos

De acordo com especialistas, restam dez espécies de tartarugas gigantes nas ilhas Galápagos. Biólogos estimam que eram 15 diferentes espécies quando o naturalista britânico Charles Darwin esteve pela primeira vez na região, em 1835.

Mas com o passar dos séculos, piratas, baleeiros e comerciantes caçaram esses animais por causa de sua carne. Mais de 100 mil deles morreram.

Uma tartaruga gigante chega a pesar, em média, 270 kg, e pode viver até 150 anos.

Em 40 anos, o número de tartarugas da espécie Chelonoidis hoodensis
pulou de 15 para 2 mil, graças ao programa de reprodução em cativeiro

Leia também:
Espécie de tartaruga extinta na natureza há 17 anos é salva em templo hindu na Índia
Redes iluminadas podem impedir morte de tartarugas presas acidentalmente por pescadores
Tartaruga ferida ganha cadeira de rodas feita de Lego

Fotos: reprodução Facebook Parque Nacional Galápagos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta