Depois de pisoteado e morto por elefante, caçador de rinoceronte é devorado por leões em parque na África

A lei do mundo animal. Se defendem aqueles que são ameaçados e sobrevivem os mais fortes.

Foi exatamente o que aconteceu na semana passada no Parque Nacional Kruger, na África do Sul. Quatro caçadores de rinocerontes (criminosos que matam esses animais para tirar seus chifres) entraram ilegalmente no parque, mas foram surpreendidos por um elefante. Um dos homens foi pisoteado e morreu. Os demais decidiram então deixar o corpo em uma estrada, enquanto fugiram.

Os caçadores acabaram sendo presos pela polícia e a família do homem morto foi notificada. Todavia, quando tentou-se encontrar o corpo, uma surpresa.

“Evidências no local sugerem que um bando de leões devorou os restos mortais, deixando apenas um crânio humano e um par de calças”, divulgou em comunicado, Glen Phillips, da administração do Parque Nacional Kruger.

Além disso, ele deu os pêsames à família do caçador morto, de forma bastante irônica.

“Entrar no Parque Nacional Kruger ilegalmente e a pé não é sábio, tem muitos perigos e este incidente é prova disso. É muito triste ver as filhas do falecido lamentando a perda de seu pai, e pior ainda, só conseguindo recuperar muito pouco de seus restos mortais.”

Em julho do ano passado, outro acidente igual ocorreu. Caçadores de rinocerontes também foram devorados por leões na África do Sul. Restos mortais de duas ou três pessoas foram encontrados na Reserva Sibuya, próxima da cidade de Kenton-on-Sea, no sudeste do país. Ao lado do que sobrou dos corpos, foram achados rifles de alta potência e machados, usados para a retirada de chifres de rinocerontes.

Rinocerontes: espécie em extinção

Existem cinco espécies de rinocerontes, três na Ásia e duas na África subsaariana: de java, de sumatra, indiano, negro e branco. Este último, é dividido em duas subespécies, o branco do norte e o branco do sul.

No passado, os rinocerontes brancos do norte eram encontrados em regiões de países como Uganda, Congo, Sudão. Eram cerca de 2 mil indivíduos livres na natureza na década de 60.

Mas a crescente demanda pelas suas presas, comercializadas na China e no Vietnã como remédios, faz com que eles sejam mortos por traficantes. O quilo do chifre do rinoceronte chega a ser vendido por até 50 mil dólares.

Nos anos 80, foi decretado que a espécie estava em vias de extinção.

No começo de 2018, Sudan, o último rinoceronte branco do norte morreu. Com 45 anos, ele era o único macho sobrevivente da espécie no planeta. Agora restam somente sua filha Najin e sua neta, Fatu, as últimas fêmeas da espécie.

*Com informações da CNN

Leia também:
Caçador americano paga UU$ 110 mil para matar bode, ameaçado de extinção, no Paquistão
Mais de 4 mil girafas foram mortas para atender demanda de mercado com peças do animal nos Estados Unidos
Além de prisão, caçador nos Estados Unidos recebe pena adicional inusitada: assistir “Bambi” uma vez por mês

Japão anuncia que voltará a caçar baleias comercialmente
Contra a caça de animais silvestres: por mais vida e paz em nossas florestas!
A caça mata nossa biodiversidade e oportunidades de negócios
Vídeo mostra imagens brutais da caça a uma onça-parda em Santa Catarina
Animais silvestres em perigo: projeto de lei libera caça no Brasil, também em unidades de conservação. E muito mais!

Foto: Parque Nacional Kruger

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

2 comentários em “Depois de pisoteado e morto por elefante, caçador de rinoceronte é devorado por leões em parque na África

  • 8 de abril de 2019 em 9:31 AM
    Permalink

    Quem procura acha, ele achou.

    Resposta
  • 8 de abril de 2019 em 8:29 PM
    Permalink

    Olhammm não sinto pena de caçadores. Um dia do caçador, outro da caça.

    Resposta

Deixe uma resposta