Dentes para que te quero

dentes para que te quero

O Brasil tem 25 milhões de desdentados, pessoas sem um único dente na boca. É a metade da população da Espanha ou da Grécia e Portugal somadas.

Este desastre dentário mostra como estamos atrasados na saúde bucal, apesar do país ser considerado um dos mais avançados tanto pelo nível técnico de seus profissionais como pelos tratamentos desenvolvidos. Mas infelizmente, os hábitos mais simples, como escovação e uso do fio dental, simplesmente são descartados por boa parte da população, mais notadamente nas regiões pobres brasileiras.

A perda dos dentes começa já na infância, com o surgimento das primeiras cáries.

Mas se por um lado temos tantas perdas registradas, há aqueles que nem sequer apresentam cáries na dentição e podem chegar até a velhice com a arcada dentária intacta.

Nesta entrevista, a dentista Luciane Santos fala dos cuidados com os dentes, desde os mais simples, até os mais sofisticados, como o clareamento. Ela dá dicas ainda também sobre o tipo ideal de escova, alerta sobre a ingestão em excesso de doces, uso do cigarro … A conversa é uma aula para quem quer manter o sorriso sempre bonito.


Foto: domínio público/pixabay

Jornalista há 30 anos, é formado em Comunicação Social na Universidade Federal do Paraná. Em 1986, começou a carreira em televisão, primeiro como repórter e mais tarde, editor e apresentador. Trabalhou nas Redes Globo e Record. Em 2015, montou sua própria empresa, a Sobrequasetudo Comunicação e Arte, especializada em media training. Em 2017, criou o Brasil de Cor, um canal para dar oportunidade e visibilidade a negros brasileiros

Herivelto Oliveira

Jornalista há 30 anos, é formado em Comunicação Social na Universidade Federal do Paraná. Em 1986, começou a carreira em televisão, primeiro como repórter e mais tarde, editor e apresentador. Trabalhou nas Redes Globo e Record. Em 2015, montou sua própria empresa, a Sobrequasetudo Comunicação e Arte, especializada em media training. Em 2017, criou o Brasil de Cor, um canal para dar oportunidade e visibilidade a negros brasileiros

Deixe uma resposta