De onde vem o peixe que você come? O Programa Pesca+Sustentável conta

pesca-mais-saudavel-pescador-divulgacao

Um pescado mais sustentável e socialmente justo no prato dos brasileiros. Este é o objetivo do Programa Pesca+Sustentável, promovido pela ONG Conservação Internacional (CI-Brasil), incentiva o estabelecimento de cadeias de pesca mais sustentáveis no país.

Dentro dessa perspectiva, a disseminação da informação sobre a procedência do pescado e a vinculação de sua produção a essa cadeia de produção é fundamental para que o consumidor possa escolher de maneira mais consciente o que come.

QRCodeTagPriscilaStefenPEscaNa cidade de São Paulo já é possível entender como essa rastreabilidade funciona. O Pesca+Sustentável promove, até o dia 4 de setembro, a Semana do Caranguejo. Vários restaurantes na capital paulista, e um na cidade de São Sebastião, oferecem pratos elaborados com o caranguejo-uçá da Reserva Extrativista de Canavieiras (BA). O pescado é colhido de forma artesanal, rastreado desde sua origem. Uma tag com um QR Code (foto) traz todas as informações ao consumidor.

O programa conta com a parceria de vários chefs (veja abaixo) para incentivar a utilização desse caranguejo e difundir a importância do rastreamento e do manejo sustentável para garantir a qualidade do pescado e valorizar melhores práticas nas comunidades pescadoras.

pesca-mais-saudavel-prato-divulgacaoParticipam da Semana do Caranguejo na capital paulista os restaurantes Suri (chef Dagoberto Torres), Karú (chef Andre Ahn), Taioba (chef Eudes Assis), além do Eau, Kinu e CCultura Caseira, localizados no hotel Grand Hyatt, local que abrigou o lançamento da Semana na última segunda-feira. A Peixaria Nossa Senhora de Fátima fornecerá o caranguejo aos restaurantes por encomenda.

“É um grande prazer participar deste projeto em parceria com a Conservação Internacional, contribuir com a proteção da natureza e ajudar no desenvolvimento da pesca sustentável. Iniciativas como estas são muito importantes para conscientizar a população e proteger o meio ambiente para as próximas gerações”, ressalta Thierry Buffeteau, chef executivo do hotel Grand Hyatt São Paulo.

A mobilização na capital paulista se iniciou em maio deste ano, quando 15 chefs se reuniram para conhecer o programa Programa Pesca+Sustentável no restaurante Dalva e Dito, com o chef Alex Atala. Outra iniciativa importante foi uma oficina de beneficiamento realizada no restaurante Clandestino, da chef Bel Coelho: “Ter participado da oficina foi fundamental para conhecer a fundo, além do produto em si, todas as etapas que o caranguejo atravessa, desde sua origem. Aprender a limpar um caranguejo com a Dona Maria, de Canavieiras, foi umas experiências mais deliciosas do ano. Lembrar que os produtores também são protagonistas no ramo da gastronomia é muito importante”.

Pesca mais sustentável, ambiental e socialmente

Segundo a CI-Brasil, mais de 80% das espécies de pescado exploradas economicamente na costa do Brasil estão ameaçadas pela pesca predatória e ilegal. O programa pretende oferecer mais transparência às cadeiras de produção e comercialização do país por meio da rastreabilidade do pescado.

Realizado em parceria com a Comissão Nacional para o Fortalecimento das Reservas Extrativistas e dos Povos Extrativistas Costeiros Marinhos (CONFREM) – que representa povos e populações tradicionais extrativistas de 18 Estados brasileiros, e mais de 100 mil famílias – e o ICMBIO/MMA (responsável pela gestão das reservas extrativistas federais), o Programa Pesca+Sustentável foi vencedor, em 2014, do Desafio de Impacto Social Google.

Hoje há quatro pescarias com projetos piloto nas Reservas Extrativistas Canavieiras e Cassurubá, na Bahia, e também em São João da Ponta e Mãe Grande do Curuçá, localizadas no Pará. As pescarias de caranguejo-uçá de Canavieiras e São João da Pontas estão mais avançadas, com produtos chegando ao mercado dentro dessa concepção de pesca sustentável.

A intenção é que esse sistema de rastreabilidade esteja disponível para as principais pescarias das reservas extrativistas costeiras e marinhas do Brasil, atingindo cerca de 60 mil famílias de pescadores tradicionais em 22 reservas do país nos próximos 18 meses.

Além da parceria estabelecida com os restaurantes em São Paulo, o Pesca+Sustentável vem trabalhando com estabelecimentos parceiros em Belém e em Vitória, onde as cadeias estão em fase experimental e de ajustes.

Está também no horizonte do trabalho a produção de um aplicativo para informar ao consumidor sobre a procedência do peixe comprado.

Confira aqui para saber onde experimentar o pescado da Reserva Extrativista de Canavieiras nessa Semana do Caranguejo em São Paulo:
Eau, Kinu e CCultura Caseira: Hotel Grand Hyatt São Paulo – Av. Nações Unidas, 13301, fone: 11 2838 1234, Itaim Bibi, São Paulo/SP
– Suri: R. Mateus Grou, 488, fone: 11 3034-1763, Pinheiros, São Paulo/SP
Karú: R. Joaquim Antunes, 48, fone: 11 2507-5932, Pinheiros, São Paulo/SP
Taioba: Rua Tijucas, 55, Fone: 12 3865.2846, Sertão de Camburi, São Sebastião/SP
Peixaria Nossa Senhora de Fátima: R. Pedro Cristi, 89, fone: 11 3032-1221, Pinheiros, São Paulo/SP

Fotos: Priscila Steffen/CI-Brasil

Jornalista e mestre em Antropologia. Coordenou a Comunicação da Secretaria do Verde da Prefeitura de São Paulo – quando criou as campanhas Eu Não Sou de Plástico e, em parceria com a SVB, a Segunda Sem Carne. Colaborou com a revista Página 22 da FGV e com a Unisol Brasil. Há 3 anos é coordenadora de comunicação da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental.

Mônica Ribeiro

Jornalista e mestre em Antropologia. Coordenou a Comunicação da Secretaria do Verde da Prefeitura de São Paulo – quando criou as campanhas Eu Não Sou de Plástico e, em parceria com a SVB, a Segunda Sem Carne. Colaborou com a revista Página 22 da FGV e com a Unisol Brasil. Há 3 anos é coordenadora de comunicação da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental.

Deixe uma resposta