De metal ou de vidro, canudo bom é reutilizável!

De metal ou de vidro, canudo bom é reutilizável!

Depois da garrafa plástica, a vez é do canudinho. Ele virou o novo vilão da luta contra a poluição dos oceanos. Em uma pesquisa realizada pela organização internacional Ocean Conservancy, o canudo aparece entre os dez resíduos mais encontrados nas ações de limpezas de praia.

Aparentemente inofensivo, o canudinho descartável virou uma praga ambiental. Só nos Estados Unidos, são usados 500 milhões deles por dia e no Reino Unido, mais 100 milhões. E assim como outros resíduos, eles acabam no mar, engolidos por animais, que morrem sufocados.

Feito geralmente de poliestireno ou polipropileno, o canudo pode ser reciclado, mas como é muito pequeno e leve, assim como tampas de garrafa, por exemplo, frequentemente é jogado no lixo. Sua vida útil é estimada em 4 minutos. Isso mesmo, 4 minutos! E ele leva aproximadamente 400 anos para se decompor na natureza.

Mas, em diversos países do mundo, há um movimento para proibir o uso dos canudos plásticos. Na Inglaterra, eles deverão ser banidos em 2019 (leia mais aqui). Infelizmente, no Brasil, ainda não há nada neste sentido, apesar de diversos bares e restaurantes já tentarem ser mais sustentáveis, tanto tentando limitar seu uso, como oferecendo canudos de papel.

Além disso, o mercado também tem desenvolvido diversas inovações. Mostramos aqui, neste outro post, o canudo espanhol Sorbos, que é comestível e biodegradável. Feitos com açúcar, gelatina bovina e amido de milho, eles podem (ou não) ser aromatizados com seis sabores diferentes: limão, lima, morango, canela, maçã verde, chocolate e gengibre. Se ingerida, cada unidade tem 24 calorias.

Todavia, para quem procura uma solução de longo prazo, há uma novidade aqui do Brasil mesmo. A marca carioca Mentah vende canudos reutilizáveis. O produto é fabricado com vidro de borosilicato, inerte e termoresistente (o mesmo utilizado em laboratórios). Ele pode ser comprado em um kit, que vem com uma escova de limpeza, e uma sacolinha, pronta para ficar na bolsa ou na mochila, assim pode ser levado para qualquer lugar.

O canudo de vidro da carioca Mentah

Já a marca britânica Globi World comercializa canudos de metal. De aço-inoxidável, também são acompanhados de um escovinha para a limpeza e um saquinho.

De metal, o canudinho pode ser facilmente limpo após cada uso

Alternativas como as do canudo de vidro ou de metal, talvez sejam mais apropriadas para o uso individual. Difícil conceber que seria viável em um restaurante ou bar, a limpeza de centenas de canudinhos como estes. Além disso, o custo unitário do produto brasileiro é de 17 reais.

Mas para quem quer fazer a sua parte e ser mais sustentável, solução é o que não falta. Hora então de aposentar os velhos e poluentes canudinhos de plástico!

Fotos: divulgação Mentah e Globi World 

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Um comentário em “De metal ou de vidro, canudo bom é reutilizável!

  • 17 de junho de 2018 em 8:51 AM
    Permalink

    Adorei ler a respeito dos canudos , alem de ser de uso pessoal não polui o meio ambiente. parabens pela criatividade.

    Resposta

Deixe uma resposta