Crianças começam plantio de um milhão de mudas nativas ao longo do Rio Doce

Crianças começam plantio de 1 milhão de mudas nativas ao longo do Rio Doce

Foram apenas as primeiras 100 mudas. Mas já é um lindo gesto que representa um trabalho incrível que será feito nas margens do Rio Doce, que sofreu tanto nos últimos anos.

Em novembro de 2015, o rompimento da barragem da mineradora Samarco, na região de Mariana, em Minas Gerais, destruiu completamente o vilarejo de Bento Rodrigues, deixando mais de 20 pessoas mortas, e levou um mar de lama tóxica para toda a bacia do Rio Doce, poluindo e contaminando a água e tirando a vida de animais que viviam ali. A tragédia é considerada o maior desastre ambiental da história do Brasil.

No final de semana passado, 100 alunos das redes municipal e estadual e particular de ensino, além de jovens de projetos sociais e crianças de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, comunidades mais atingidas pela tragédia, foram convidados para dar o ponta-pé inicial do projeto “Plantando pelo Planeta”. Ao participar do plantio de mudas e de um curso sobre meio ambiente e mudanças climáticas, chamado Academia, eles foram nomeados Embaixadores da Justiça Climática de Mariana.

A meta do  projeto é plantar 1 milhão de mudas nativas ao longo do Rio Doce. Neste primeiro momento, foram plantados ipês amarelos e roxos, que em aproximadamente quatro anos, deverão estar floridos, fornecendo sombras e todos os demais serviços ambientais gratuitos que, árvores propiciam às cidades, como por exemplo, deixar o ar mais limpo e reduzir a temperatura.  “É uma boa ação que ajuda o nosso planeta. As plantas liberam oxigênio e melhoram o nosso ar”, diz o estudante Kaique Augusto Rosa, de 12 anos.

A iniciativa “Plantando pelo Planeta” é uma parceria entre a prefeitura de Mariana, a Fundação Renova e a Plant for The Planet, instituição criada na Alemanha e voltada para o reflorestamento. Outros municípios, além de Mariana, também vão receber o projeto de plantio de mudas.

“Nossa missão agora é conscientizar as pessoas. Espero que muita gente queira participar conosco. Quanto mais árvores, mais oxigênio e melhor para o planeta. O que achei mais legal é saber que tudo isso começou a partir da ideia de um garoto de nove anos, que agora é um exemplo para a gente”, disse Mariana Marçal, outra estudante de 12 anos.

O garoto a que a jovem se refere é o alemão Felix Finkbeiner. Em 2007, então com 9 anos, ele fez a apresentação de um trabalho escolar sobre a crise climática no mundo. O menino sugeriu que, para compensar as emissões de dióxido de carbono, gás principal responsável pelo aquecimento global, as crianças do planeta poderiam plantar árvores em seus países.

O Plant for the Planet, nome em inglês do projeto idealizado por Felix, já plantou mais de 15 bilhões de árvores. Mas o agora adolescente alemão, tem uma meta mais ambiciosa ainda: quer chegar a 1 trilhão de mudas até 2030!

Os próximos eventos de plantio, na região de Mariana, ainda não têm data definida. Crianças e jovens interessados em participar devem entrar em contato com os organizadores do projeto através do e-mail plantandopeloplanetamariana@gmail.com


Fotos: divulgação Plantando pelo Planeta

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta