Coruja rara volta a voar depois de implante das penas das asas

A Athene noctua é uma das menores espécies de corujas existentes. Mede entre 21 e 23 cm e pesa, no máximo, 220 gramas. Pois uma delas foi achada, ferida, no meio de uma estrada, no interior da Inglaterra. Provavelmente, se chocou com um carro.

Levada para o Wildlife Aid Foundation, um centro de tratamento para animais selvagens, na cidade de Surrey, foi constatado que a pequena e rara coruja tinhas sérios danos nas asas. Não conseguia mais voar.

Segundo a equipe da fundação, a ave, que aparenta ser bem jovem, perdeu penas essenciais para que pudesse voar novamente.

Pois através de um procedimento conhecido como imping, geralmente utilizado em falcões ou pássaros em cativeiro, os veterinários conseguiram fazer um implante de penas na corujinha.

As aves do doador foram colocadas cuidadosamente nos lugares e ângulos certos, antes de serem fixadas com cola cirúrgica. Além disso, os veterinários utilizaram arame para criar espinhas dorsais artificiais.

“É preciso usar exatamente as mesmas penas do mesmo tipo de ave. É então necessário medi-las para que sejam do mesmo tamanho também”, explicou Simon Cowell, CEO da Wildlife Aid Foundation, em entrevista à rádio irlandesa RTE Rádio 1.

O centro de tratamento tem um estoque de penas, retirado de aves mortas, justamente para estes casos.

Depois de apenas um dia de recuperação, a coruja foi solta e voltou a voar livre.

Infelizmente, assim como outras espécies e em outras partes do mundo, o número de pequenas corujas no Reino Unido fica menor a cada ano. Os principais responsáveis por seu declínio são o desmatamento e a expansão das cidades para a zona rural.

Assista abaixo um vídeo da Royal Society for the Protection of Birds, que mostra um exemplar da Athene noctua:

Fotos: divulgação Wildlife Aid Foundation

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Deixe uma resposta