Contra racismo e xenofobia, supermercado alemão tira produtos estrangeiros das prateleiras


Imagine você entrar no supermercado que está acostumado a frequentar e que oferece grande variedade de produtos e de marcas de diversas procedências, mas encontrar as prateleiras praticamente vazias, como na foto acima. Pois foi exatamente isso que aconteceu, este mês, na maior rede de supermercados de Hamburgo, na Alemanha: Edeka.

A primeira impressão que os clientes tiveram ao entrar na loja foi de que alguém havia esquecido de abastecer as prateleiras, naquele dia. Mas não demorou muito para que entendessem o que, de fato, estava acontecendo.

Cartazes espalhados próximo das gôndolas e prateleiras quase vazias davam conta de que, sem produtos fabricados por outros países, seria impossível oferecer a variedade que todos apreciavam e a vida seria muito monótona. O cartaz da foto acima, por exemplo, diz: “Esta prateleira mostra que a Alemanha seria pobre sem diversidade”. Outros diziam: “Como é vazia uma prateleira sem produtos estrangeiros”, “Esta prateleira é bastante chata sem variedade” ou “Nossa amplitude agora conhece fronteiras”.

O objetivo da campanha era chamar a atenção para o racismo e a xenofobia praticados no dia a dia, para a importância da diversidade étnica, social e cultural em nossas vidas. Só a multiplicidade de olhares, de pontos de vista, de sabores e soluções nos enriquece. Você já parou para pensar nisso? E não faz sentido algum apreciar produtos vindos de outros países, se o povo dessas regiões não é bem recebido nem aceito, não é mesmo?

No mínimo, a campanha provocou reflexões interessantes nos frequentadores que por lá passaram nesse dia. Ainda mais neste momento em que a ‘guerra’ contra imigrantes e refugiados se acirra, cada dia mais, na Europa e no mundo.

Agora, veja, abaixo, as prateleiras vazias do Edeka, em registros feitos por seus clientes e publicados nas redes sociais.

 

 

Foto: Reprodução do Twitter de Niko Georgarakos 

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta