Concreto fotovoltaico: a inovação (sustentável) da construção civil


Concreto fotovoltaico: a mais nova inovação (sustentável) da construção civil

Atualmente, 30% a 40% do consumo global de energia é usado para o aquecimento ou resfriamento (aparelhos de ar condicionado) de grandes edifícios.

Para reduzir esse custo, duas empresas europeias se uniram e criaram um revestimento de concreto fotovoltaico, que produz duas vezes mais energia do que os tradicionais painéis fotovoltaicos utilizados em telhados hoje em dia.

O protótipo desenvolvido pela suíça LafargeHolcim (maior fabricante de cimento do mundo) e a alemã Heliatek possui uma película solar finíssima e flexível. Segundo os fabricantes, em um prédio comercial de dez andares, com 60% de sua fachada coberta com o revestimento pré-fabricado, o novo sistema atenderia a demanda anual de 30% da energia.

Revestimento de concreto fotovoltaico

Mas não é só a iniciativa privada que está investindo no concreto que gera energia solar. Um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Zurique (ETH), também na Suíça, apresentou um protótipo de um telhado de concreto, ondulado, de 7 metros de altura.

A estrutura leve e fina, que será utilizada em uma casa modelo, produz eletricidade a partir de microcélulas fotovoltaicas. O teto de concreto tem entre 3 e 12 cm de espessura e dentro dele há uma série de outros materiais inovadores.

Segundo os engenheiros responsáveis, o telhado, que aparece no vídeo abaixo, conseguirá produzir mais energia do que a demanda da casa, que faz parte do projeto NEST – Next Evolution in Sustainable Building Technologies.

Tecnologias mais modernas e baratas

No mundo todo, empresas apostam seus recursos em pesquisas e desenvolvimento de novos materiais para tornar mais barata e prática a maneira que se gera energia solar atualmente. Apesar de painéis solares terem se tornado populares em diversos países, em muitos lugares eles ainda são caros e difíceis de serem instalados.

Um desses exemplos de inovação vem de uma empresa britânica, a Renovagen. Ela criou painéis solares portáteis.

A tecnologia permite que os painéis, flexíveis, sejam enrolados e possam ser transportados para qualquer lugar para produzir energia. O objetivo é que sejam usados em locais onde há falta de eletricidade e necessidade imediata para ela, como após a ocorrência de desastres naturais.

Os rolos estão acoplados em um veículo 4×4, que armazena e distribui a energia. O volume produzido ali é o suficiente para fazer funcionar uma clínica médica, com 120 leitos ou dessalinizar 25 mil litros de água salgada por dia, garantem os inventores.

É a tecnologia a serviço do bem e de um mundo mais sustentável e menos poluente!


Leia também:
Energia solar é o setor que mais gerou empregos nos Estados Unidos
Academia de ginástica totalmente movida a energia solar é inaugurada na Suíça
Estádio de time inglês é movido a energia solar e só serve comida vegana
Energia solar torna-se a fonte renovável mais barata em 58 países, entre eles, o Brasil
Ciclovia que brilha no escuro é recarregada com energia solar

Fotos: divulgação 

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta