Com base nos princípios do Aikido, educador propõe ‘coreografia harmoniosa’ para aproximar pais e filhos


“Faixa preta em criar pontes”, o educador José Bueno compartilha os princípios do Aikido – arte da qual é mestre – com pais e mães na Roda de Encontros Matutaí, em 7/11, na Livraria da Vila, em São Paulo (mais informações no final do post). Ele vai propor uma ‘coreografia harmoniosa’ que os aproximem mais dos filhos, “com menos embates e mais encontros positivos, construtivos e reveladores”.

Pra quem não sabe, a Matutaí nasceu para promover o encontro de mães e pais e refletir sobre a educação informal e as relações afetivas, principalmente com os filhos. Nada mais propício que convidar o Zé para falar lá.

Há mais de 30 anos ele – que é arquiteto e urbanista – atua como facilitador em programas de desenvolvimento humano, tanto em empresas como universidades, e é profundamente generoso: compartilha seus passos de mestre com diversos públicos. Neste encontro, falará sobre a urgência de se manter relações humanizadas e diversas – dentro e fora de casa – como forma de incentivar uma sociedade mais tolerante e menos violenta. E não basta os pais incentivarem os filhos a praticar esse tipo de relação, eles devem fazê-lo também. Só a convivência com a diversidade resulta no desenvolvimento e no fortalecimento de uma “musculatura emocional”.

“Quando vejo crianças e jovens restritos à convivência pobre em diversidade, sinto que essa opção pela segurança impacta negativamente a musculatura emocional para lidar com o diverso. Alguns sintomas já são percebidos na vida adulta, quando estranhamento e ódio ao diferente ganham forma de preconceito e violência. Talvez aquilo – ou aquele – que chamamos de ‘problema’ seja a própria fonte do meu desenvolvimento!”, explica.

Para o educador, aprender a lidar de modo inteligente e sensível com oposições, contrariedades e resistências é outra preciosidade na formação cidadã, e determinadas atividades físicas, como o Aikido, podem ajudar bastante nessa missão.

“Se, além de alimentar o espírito competitivo,​ a atividade física valorizar o trabalho em equipe, a persistência, ​a sensibilidade e ​a ​resiliência para ​se recuperar de perdas​ e, especialmente, a compreensão da vida como um jogo que jogamos juntos, ela cumpre a função de educar pessoas para um mundo desejável de coexistência e amor”.

A espiritualidade e o autoconhecimento também são caminhos para cultivar esse tão desejado bem-estar comum. “Os pais devem promover o contato com a natureza, com a arte e com o próprio corpo, porque espiritualidade e autoconhecimento não são somente processos cognitivos, mas profundamente sensoriais”. E completa:

“Apreciar os cheiros, os sons dos instrumentos, a água, as cores, o prazer do corpo em movimento, observar o nascimento das flores, as formigas, as pedras dos rios e tudo o que a vida transborda em suas manifestações, é o campo fértil para a compreensão do valor sagrado da apreciação, da gratidão e do amor por tudo que é vivo”.

Não dá pra perder, né? Então, veja abaixo um pouco mais sobre a Matutaí e, em seguida, informações completas sobre este encontro precioso.

Vai todo mundo matutar!

Vivian Wrona Vainzof e Vivian Tempel Wroclawski são formadas em administração de empresas, estudam psicanálise e são mães. E veem ‘matutando’ sobre educação há mais de dez anos. Depois de muitas reflexões e de encontrar muita gente com questões similares ou iguais, criaram o projeto Matutaí. Seu propósito: inspirar e transformar mães e pais, incentivando-os a refletir sobre educação informal e relações afetivas a partir de conversas com profissionais sensíveis, autênticos e talentosos. Por isso, a escolha dos palestrantes é muito cuidadosa.

Mas sua missão não termina aí. Todos os encontros pagos realizados pelo Matutaí têm uma contrapartida pro bono, com o mesmo convidado, em uma instituição sem fins lucrativos, por meio do Matutaí, sociedade!. Ou seja, as idealizadoras e o palestrante doam seu tempo, sabedoria e conhecimento em prol de quem não pode pagar. “Ninguém é remunerado por isso e todos saem ganhando! Além da instituição, a maior beneficiada é a sociedade, são as pessoas, os cidadãos que aceitam refletir sobre educação, criar consciência sobre suas ações e se propor a matutar”, destacam Wrona e Tempel.

Antes de anotar as informações do encontro na agenda e fazer a inscrição, leia a entrevista que ele concedeu à Vivian Wrona: Matutaí com José Bueno: lições do Aikido.

Roda de Encontros Matutaí

A LUTA DIÁRIA DE EDUCAR, com José Bueno
7/11/2017, das 12h às 14h
Livraria da Vila – Rua Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena – São Paulo
Informações para aquisição de ingressos (também dos próximos encontros).

Foto: Divulgação

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na Claudia e Boa Forma, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, considerado o maior portal no tema pela UNF. Integra a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade.

Deixe uma resposta