Circo nos EUA vai parar de usar elefantes em shows em 2016

Elefantes fazem número de equilíbrio no circo Ringling Brothers

O famoso circo Ringling Brothers, um dos maiores dos Estados Unidos, anunciou na última semana que encerrará o uso de elefantes em shows em maio deste ano. Espetáculos com os animais eram realizados pelo estabelecimento há 145 anos, prática condenada por organizações de defesa dos animais do mundo todo. Os elefantes realizavam números de manobras de equilibrismo.

Após pressão de ativistas e do próprio público, o grupo Feld Entertainment, dono do circo, informou, em março de 2015, que retiraria todos os elefantes do palco em 2018. No entanto, a “aposentadoria” dos elefantes foi antecipada em dois anos.

O motivo? Segundo nota do circo, “os dedicados funcionários da empresa fizeram os preparativos necessários para levar os elefantes para o centro de conservação muito antes do previsto”. O centro de conservação ao qual o comunicado se refere é uma propriedade do circo na Flórida, fundada em 1995, que servirá como lar permanente dos elefantes daqui a quatro meses.

“O compromisso da nossa empresa e nossa família para salvar o elefante asiático continuará com nossos programas de melhoramento genético, pesquisa e conservação no centro, que contará com 42 paquidermes”, disse Alana Feld, vice-presidente executiva da Feld Entertainment.

De acordo com a presidente da organização de direito dos animais PETA, Ingrid Newkirk, “anos de vida em jaulas do circo, parados sobre pisos de concreto, deixaram muitos elefantes doentes”.

Na última semana, também foi motivo de comemoração pela causa dos elefantes a proibição de Hong Kong ao comércio local de marfim. A cidade era um dos maiores consumidores mundiais do produto, responsável em parte pela matança ilegal de elefantes-africanos. Quem sabe a medida vai ajudar a frear a caça ilegal e o contrabando?

Vale ressaltar que, infelizmente, números com outros animais, como tigres, leões, cavalos e cães, continuarão sendo realizados no circo.

Foto: hbp_pix / Creative Commons

Marina Maciel

Jornalista, Marina escreve sobre meio ambiente para diversas publicações brasileiras desde 2011. Já colaborou para veículos como Superinteressante, Exame, VEJA, VEJA SP, M de Mulher, Casa Claudia, VIP, Cosmopolitan Brasil, Brasil Post, National Geographic Brasil, INFO e Planeta Sustentável.

Deixe uma resposta