Cinco porções de frutas e verduras por dia? Não, o ideal é dez!!!

frutas e verduras

Se você achava difícil atingir aquela meta de comer cinco porções de frutas, verduras e legumes por dia, conforme recomendado já há anos pelos médicos para se ter uma boa saúde, então prepare-se. Um novo estudo divulgado por cientistas do Imperial College London afirma que o ideal mesmo é consumir dez porções destes alimentos diariamente. Cada porção equivale a cerca de 80 gramas, ou seja, uma banana, maçã ou pera pequenas ou três colheres grandes de legumes cozidos, como espinafre, brocólis ou couve-flor.

O estudo*, divulgado na publicação International Journal of Epidemiology, analisou 95 artigos científicos sobre a ingestão de frutas e verduras e a correlação com casos de derrames, doenças cardiovasculares, câncer e mortes em aproximadamente 2 milhões de pessoas.

Os pesquisadores britânicos ressaltam que, incluir em nossa dieta alimentar diária as cinco porções de verduras, legumes e frutas, já reduz em grande parte o risco de desenvolvimento das doenças citadas acima. Mas acreditam, entretanto, que o maior benefício mesmo seria obtido com a ingestão do dobro da quantidade destes alimentos. De acordo com o estudo, se a população global colocasse mais deles no prato, 7,8 milhões de mortes prematuras poderiam ser evitadas no mundo todo anualmente.

“Queríamos investigar qual era a quantidade ideal de consumo de frutas e verduras para se ganhar o máximo de proteção contra doenças e e evitar mortes prematuras. O resultado sugere que, apesar de cinco porções serem boas, dez vêm a ser muito melhor”, destaca Dagfinn Aune, autor principal da pesquisa.

Prato mais colorido = vida mais saudável

O estudo realizado pelos cientistas do Imperial College London conseguiu quantificar em números os benefícios gerados pelo aumento do consumo de ingredientes mais saudáveis de cinco para dez porções por dia. Segundo eles, a mudança de hábitos diminuiria em 24% os riscos de aparecimento de doenças do coração, 33% de derrames, 28% de problemas cardiovasculares, 13% de câncer e 31% de mortes prematuras.

Os pesquisadores detalharam ainda quais alimentos são mais indicados para evitar certos tipos específicos de doença. Vegetais verdes, como espinafre e feijão (verde), e amarelos, como cenouras e pimentões, devem fazer parte do cardápio para reduzir o risco do câncer. Já frutas cítricas, maçãs, peras, brocólis, repolho e couve-flor são recomendados para a proteção contra distúrbios cardiovasculares, coronários e derrames.

“Frutas e legumes diminuem os níveis de colesterol e pressão arterial e melhoram a saúde dos nossos vasos sanguíneos e sistema imunológico. Isso pode ser devido à complexa rede de nutrientes que possuem. Eles contêm, por exemplo, muitos antioxidantes, que podem conter danos ao DNA e limitar o risco de câncer “, explica Dagfinn Aune.

Atualmente, apenas uma em cada três pessoas no Reino Unido afirma consumir cinco porções de verduras e frutas diariamente. Mas não desanime! O importante mesmo é ter um prato colorido. O nosso tradicionalíssimo arroz com feijão, ao lado de uma proteína e muitas verduras, é considerado uma das refeições mais saudáveis do mundo.

Por último, vale lembrar que, um copo de suco de laranja já conta com uma porção de fruta, assim como o molho de tomate entra na conta das verduras. O recado é: menos industrializados e carboidratos no prato, se você quer viver mais!

*O estudo completo em inglês pode ser lido neste link

Leia também:
Será que a carne do hamburguer que você está comendo tem antibióticos?
Alimentação saudável na adolescência 

Foto: fs999/creative commons/flickr

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta