Cientista cria garrafa biodegradável que se decompõe em apenas três semanas

garrafa biodegradável

Está sentado? Então, vamos lá: um milhão de garrafas plásticas são vendidas por minuto no planeta. Ou ainda, 20 mil garrafas de plástico são compradas a cada segundo no mundo. Deu para entender a dimensão do problema que estamos enfrentando?

O plástico surgiu como uma das grandes invenções da humanidade. Leve, prático e barato, serve como embalagem para tudo. E com isso, sua produção deu saltos gigantescos ao longos das últimas décadas. Em 1964, foram 15 milhões de toneladas fabricadas. Em 2015, este número pulou para 322 milhões de toneladas.

Mas é o uso do plástico para a fabricação de garrafas que tem gerado o maior impacto sobre a natureza. Apesar de grande parte delas serem feitas com polietileno tereftalato (PET), um polímero termoplástico, e perfeitamente passível de reciclagem, a quantidade monstruosa de unidades produzidas por segundo torna esta tarefa praticamente impossível. Estima-se que menos da metade das garrafas compradas, em 2016, foi reciclada. O que sobra desta montanha enorme de lixo plástico vai parar em aterros sanitários ou nos oceanos.

Disposto a acabar com este problema, o cientista britânico James Longcroft desenvolveu uma garrafa biodegradável, que se decompõe em apenas três semanas, caso descartada no meio ambiente.

Na parte externa, a garrafa é feita com polpa de papel reciclável, doada por empresas. Já a parte de dentro, contem uma lâmina biodegradável, fabricada com substâncias naturais, que segundo Longcroft, é comestível para a maioria dos organismos marinhos. Todos os materiais são atóxicos.

Para tentar viabilizar a produção da garrafa sustentável em larga escala, o cientista lançou uma campanha de crowdfunding na plataforma Indiegogo. A meta inicial era de 25 mil libras, mas com ainda 23 dias faltando para o fim do prazo, ele já conseguiu arrecadar mais de 30 mil libras.

Longcroft é o fundador também da Choose Water, um negócio social que reverte 100% do dinheiro arrecadado com a venda de garrafas de água para a organização Water For Africa, que trabalha com comunidades carentes da África. Mas no ano passado, depois de ter sido contratado para um grande evento, o britânico se deu conta que suas garrafas estavam provocando um enorme impacto ambiental. Foi aí que surgiu a ideia para criar a garrafa Ch2oose, um jogo de palavras, em inglês, para “Escolha H2O”.

O cientista já entrou com processo de patente para a nova garrafa. Ele acredita que, até o final deste ano, o produto estará disponível nas prateleiras das lojas.

Leia também:
França proíbe vendas de copos, pratos e talheres de plástico
Embalagem de xampu feita com lixo plástico marinho chega às prateleiras da França
Bactéria que come plástico PET pode ser solução contra poluição? 
Transformar plástico em energia: solução para acabar com o lixo nos oceanos?
Vídeo da Nasa revela ilhas de lixo no planeta

Lixo plástico ameaça 99% das aves marinhas


Fotos: divulgação Ch2oose

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Um comentário em “Cientista cria garrafa biodegradável que se decompõe em apenas três semanas

  • 10 de maio de 2018 em 12:29 PM
    Permalink

    Aplaudindo você, Logcroft, o Planeta agradece mas por favor, não pare de inventar os remédios para curá-lo.

    Resposta

Deixe uma resposta