Cidade do Mato Grosso do Sul pinta ‘Capifaixas’ para chamar atenção de motoristas e evitar atropelamentos de capivaras

Cidade do Mato Grosso do Sul pinta 'Capifaixas' para chamar atenção de motoristas e evitar atropelamentos de capivaras

Todos os dias, um número assustador de animais morrem no mundo em atropelamentos, ao tentar cruzar estradas e rodovias.

Só no Brasil, segundo o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE), 15 deles perdem a vida nessa situação a cada segundo. Por dia, o número chega a quase 1,3 milhão. E por ano, o resultado final, fica próximo de 475 milhões.

E esse é um problema que acontece também dentro de cidades, no perímetro urbano, geralmente, próximo a parques e rios, onde há vida selvagem.

Para reduzir o número de atropelamentos de capivaras em Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul, a prefeitura decidiu pintar ‘capifaixas‘ próximo à Lagoa Maior, local onde vivem muitos animais dessa espécie. Só no ano passado, 15 delas morreram ao tentar cruzar as ruas próximas à lagoa.

A faixa de sinalização educativa é amarela e possui patas gigantes de capivaras – uma maneira criativa de chamar a atenção dos motoristas.

Além das ‘capifaixas’, também foram instaladas placas no entorno da Lagoa Maior alertando sobre a presença e trânsito desses animais.

Maior roedor terrestre, a capivara adora água. Precisa dela para manter sua pele úmida. Por isso mesmo, este simpático animal pode ser visto sempre próximo a rios, córregos, lagoas e pântanos.

A espécie, que pode ser encontrada ao longo de todos os países da América do Sul (com exceção do Chile), é bastante resistente e por esta razão, se adaptou bem à vida urbana.

*Com informações da Prefeitura de Três Lagoas

Leia também:
Sistema de radar detecta animais e alerta motoristas para evitar atropelamentos
Maior viaduto do mundo para travessia de animais será construído em estrada de Los Angeles
Trem japonês emite latidos e urros para evitar acidentes com animais nos trilhos
Pará ganha primeiro viaduto para travessia de animais do Brasil
Antas ganham coleiras luminosas para evitar atropelamentos no Cerrado

Foto: divulgação/reprodução Facebook Prefeitura de Três Lagoas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta