China proíbe (finalmente) comercialização de marfim

China proíbe (finalmente) comercialização de marfim

Demorou, mas finalmente a China anunciou o fim da comercialização de marfim, após décadas de pressão e críticas do mundo todo. O país asiático, que é o maior consumidor do mundo das presas de elefantes, cedeu ao apelo de ambientalistas e governos de outras nações. Cerca de 70% do marfim vendido globalmente tinha como destino o mercado chinês.

O anúncio, feito na semana passada, afirma que até o final deste ano – 2017 -, ficará proibida a venda e processamento do marfim no país. Para a organização WWF-International, a medida representa uma “vitória monumental” em prol da conservação dos elefantes africanos. “O comércio em grande escala do marfim entrará em declínio e com isso, o futuro para os elefantes selvagens parece mais promissor”, comemorou Carter Roberts, presidente e CEO da entidade. “Com a proibição, também dos Estados Unidos, da venda de marfim, a partir do começo deste ano, dois dos maiores mercados globais tomaram medidas que reverberarão no resto do mundo “.

Em setembro do ano passado, o presidente americano Barack Obama e o chinês Xi Jinping assinaram documento conjunto em que se comprometeram a acabar com o mercado de marfim em seus países.

Na China, o quilo do marfim chega a custar mais de 1 mil dólares. Símbolo de status social, a matéria-prima é utilizada para confeccionar produtos de luxo e jóias. O marfim é usado ainda para fabricação de medicamentos da tradicional medicina chinesa.

Nos próximos três meses, segundo o governo chinês, quatro fábricas de processamento e quase 150 lojas já serão fechadas.

Estima-se que, anualmente, entre 20 e 30 mil elefantes sejam mortos por caçadores, que matam o animal para retirar suas presas. De 2007 a 2014, houve uma redução de 30% na população do maior mamífero terrestre do planeta. Isso significa que aproximadamente 144 mil elefantes foram mortos neste período.

Desde 1989, a Convenção para o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES, na sigla em inglês) proíbe  a comercialização do marfim, mas só agora (infelizmente), alguns países estão adotando medidas mais rigorosas para acabar de vez com o assassinato de elefantes.

Em fevereiro de 2016, como mostramos aqui, neste outro post, Hong Kong, outro grande comprador de marfim, também anunciou o fim da venda para frear a matança ilegal de elefantes.

Em meados de 1800, acredita-se que aproximadamente 20 milhões de elefantes habitavam as savanas e florestas africanas. Atualmente, organizações ambientais calculam que restem cerca de 500 mil animais no continente, o que torna a espécie ameaçada de extinção.

Leia também:
Chapada dos Guimarães vai abrigar primeiro santuário de elefantes da América Latina

População de elefantes africanos foi reduzida em 30% nos últimos anos

Foto: domínio público/pixabay

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta