Chegou a hora de criar o Santuário no Oceano Antártico


Chegou a hora de criar o Santuário na Antártica

Durante duas semanas de outubro, governantes de vários países vão se encontrar em Hobar, na Austrália, para decidir sobre a criação de um vasto Santuário no Oceano Antártico. Essa pode ser a maior área protegida do planeta, com quase 2 milhões de quilômetros quadrados.

O santuário será criado na área chamada Mar de Weddell, que é a casa de baleias, pinguins, focas e incontáveis seres, alguns dos quais ainda sabemos muito pouco. Veja a localização exata no mapa:

Um refúgio seguro para a vida selvagem

No Santuário, a pesca industrial e as atividades humanas seriam restritas, evitando boa parte dos impactos ambientais que vemos hoje na Antártida.

Infelizmente, um santuário não protege o oceano de todas as ameaças. A poluição causada pelo plástico, por exemplo, pode continuar chegando ali, e as mudanças climáticas impactam o mundo todo, não poupando nem a área mais remota do planeta.

É para a vida selvagem, que já sente os efeitos dessas grandes ameaças, que os santuários valem a pena! Eles são um refúgio para que os animais possam se alimentar, se reproduzir e viver em paz.

Como funciona a Comissão do Oceano Antártico?

A Comissão do Oceano Antártico, oficialmente conhecida como CCAMLR (da sigla em inglês), é um corpo internacional, formado por 24 países e pela União Europeia. Sua responsabilidade é cuidar da vida marítima na Antártida e garantir que essas águas (que são governadas por vários países ) não se tornem um espaço livre para a pesca predatória.

Qualquer país membro pode apresentar propostas de mudanças na maneira como o Oceano Antártico é administrado para que sejam debatidas nos encontros anuais. O enorme novo santuário que será discutido neste ano foi uma proposta apresentada pela União Europeia.

A grande oportunidade

A reunião deste ano é uma oportunidade de ouro para fazer o Santuário do Oceano Antártico. Mais de 2 milhões de pessoas, além de organizações e governos apoiam o santuário e estão colocando seus esforços e energias para que isso aconteça.

Agora é o momento de fazer a diferença

A negociação acontece a portas fechadas – por isso é importante espalhar nossa mensagem antes que a reunião tenha início, no dia 22 de outubro.
Até lá, os governos ainda devem elaborar as preparações de última hora para finalizar suas táticas de negociação – por isso precisamos exercer nossa pressão.

Muitos países já apoiam o santuário, mas podem fazer mais, utilizando seu corpo diplomático para convencer cada país a votar “sim”.

As chances de sucesso

Existe um forte apoio para a criação do santuário, mas o sucesso não está garantido. A Comissão do Oceano Antártico funciona por consensos, o que significa que uma proposta só será aprovada se todos os países concordarem com a decisão.

Um posicionamento contrário já pode impedir o santuário, ou promover alterações tão significativas que enfraqueçam a proposta e a proteção à vida selvagem.

Os negociadores a favor do santuário terão que fazer todo o possível para garantir que a decisão final seja tão ambiciosa como precisa ser. E nós estaremos aqui acompanhando tudo e te contando. Fique de olho!

*Texto publicado originalmente em 09/10/2018 no site do Greenpeace Brasil

Foto: ©Paul Hilton / Greenpeace

O Greenpeace Brasil faz parte da organização não-governamental internacional, sem fins lucrativos, com mais de 30 anos de luta pacífica em defesa do meio ambiente. Atua no Brasil desde 1992 (Eco92) e em 30 países por meio de ativismo e de protestos pelo meio ambiente

Greenpeace Brasil

O Greenpeace Brasil faz parte da organização não-governamental internacional, sem fins lucrativos, com mais de 30 anos de luta pacífica em defesa do meio ambiente. Atua no Brasil desde 1992 (Eco92) e em 30 países por meio de ativismo e de protestos pelo meio ambiente

Deixe uma resposta