Centenas de tartarugas marinhas morrem presas em rede de pesca ilegal no México

Centenas de tartarugas marinhas morrem presas em rede de pesca ilegal no México

A trágica cena se repete novamente. Mais de 300 tartarugas oliva sem vida, presas em uma rede deixada por pescadores no mar. Desta vez, foi na costa mexicana no Oceano Pacífico, próximo ao vilarejo de Puerto Escondido.

As tristes imagens foram divulgadas pela Defesa Civil do Estado de Oaxaca. “A Procuradoria de Proteção Ambiental confirmou que a morte das tartarugas foi causada por uma rede de pesca proibida, usada para pegar o peixe garapau”, afirmou a entidade em comunicado à imprensa.

“Encontramos esta rede conhecida como tresmalho e nos disseram que os pescadores não são deste lugar. Elas não são usadas nestas praias e talvez possam ter sido abandonadas por um navio que não percebeu sua perda e matou as tartarugas”, esclareceu ainda o anúncio.

Em maio último, noticiamos aqui outro acidente igual, mas aqui no Brasil. Tartarugas morreram presas em rede fantasma no litoral de São Paulo.

Todos os anos, milhares de animais morrem da mesma forma, presos ou sufocados em redes deixadas nos oceanos pela indústria pesqueira. Segundo dados da campanha #SeaChange da World Animal Protection, de 5 a 30% do declínio populacional de algumas espécies marinhas pode ser atribuído a redes fantasma e são 640 mil toneladas de redes abandonadas por ano nos mares, o correspondente a quase 10% de todo o plástico dos oceanos.

Tartarugas marinhas são animais que podem viver mais de 100 anos. No mundo todo, até hoje, são conhecidas sete espécies. Cinco delas são encontradas na costa brasileira: cabeçuda ou mestiça, verde ou aruanã, de pente ou legítima (a mais ameaçada), couro ou gigante (a maior de todas as espécies) e oliva (a menor delas).

Todas as espécies acima são consideradas em risco de extinção. Algumas em maior ou menor grau do que outras, mas sem exceção, todas correm o risco de desaparecer. Por isso mesmo, é tão chocante ver cenas como esta que aconteceu no México.

*Com informações da BBC Brasil

Leia também:
Após resgate e tratamento, tartarugas são devolvidas ao mar no litoral de São Paulo
Tartarugas marinhas: sua sobrevivência depende de projetos de preservação
Criação de reserva de proteção pode salvar da extinção cágado-do-paraíba
Tartaruga mais velha do mundo é homossexual. Descoberta reacende debate sobre casamento gay em ilha moralista

Foto: divulgação Defesa Civil de Oxaca

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para várias publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, acaba de mudar para os Estados Unidos

Deixe uma resposta